20.12.08

Treinamento de longo

Já contei a Saga do Vestido, e passei pelo drama do make up e o sofrimento do salto alto. O que eu não sabia é que ia ter que enfrentar o treinamento quase militar da cerimonialista.

Chegamos na igreja e fomos confinados num anexo, mas até aí tudo bem que era só brincadeira entre os amigos, muitas piadinhas sobre os ternos e vestidos e como estavamos todos muito prontos, bonitos e chiques.

A cerimonialista começa batendo palmas para pedir a nossa atenção e pede para que todos sentem que ela tem algumas coisas a dizer. M-e-d-o.

Ela até tentou fazer um estilo stand up, mas ela não era muito engraçada com aquele fone de ouvido tipo agente da CIA. As regras eram as seguintes:
1. Homens do lado direito e mulheres do lado esquerdo. Homens com o braço dobrado a exatos 45º e as mulheres delicadamente segurando o tal braço.
2. Padrinhos do noivo para direita, da noiva para esquerda. E caso a gente não lembrasse da ordem tem a sub-sargenta-cerimonialista lá na frente para nos corrigir e mostrar o caminho.
3. Nada de mascar chiclete. Quem tivesse um na boca tinha que cuspir fora ali na mão dela antes de entrar na igreja.
4. Homens com terno de 3 botões fechar os dois primeiros e deixar o terceiro aberto.
5. Mulheres com bolsa estilo carteira tem segurar em baixo da bolsa na altura do osso da bacia. As de bolsa com alça pequena segura com o braço estendido, mas NÃO pode balançar o braço de jeito nenhum.
6. Não deixar o homem andar mais rápido. Não pode acenar, nada de balançar a cabeça, nem mandar beijinho. Foco no fotógrafo no fim do altar.
7. Só pode sentar depois que o noivo entrar, mas tem que ficar de pé logo depois para a entrada da noiva.

Ela fez a chamada e nós fomos para a porta da igreja.

Depois de esperar um tempão em pé, no salto 10, do lado de fora da igreja, ela nos indicou a hora de entrar. Aqui no Ceará é quente pacas, as igrejas só tem ventilador (fiquei com pena do amigos de terno), então fizemos uma sauna básica e bronzeamento artificial com as luzes da filmagem.

Na saída da igreja eu já estava feliz que ia sentar no ar condicionado do buffet, beber água e depois alguma coisa alcóolica, comer e curtir. Mas eu estava tão enganada. Ainda tinha a foto com os noivos.

Felizmente a cerimonialista-general juntava 4 casais de uma vez. "Faz pose de miss!" ela mandou. Eu respondi "Pode deixar que eu assito America's Next Top Model e sei ser fierce.". Ela não entendeu a minha piada, fez cara feia e eu passei o resto da festa fugindo dela, mas ela não esqueceu de mim. Na hora da noiva jogar o bouquet eu estava na mesa, tranquila e calma, quando vi que estava demorando. Foi aí que escutei o meu nome no alto falante "Karine Marselle venha aqui tentar pegar o bouquet". Eu obedeço, ainda mais quando usam os dois nomes. Não peguei o bouquet (ufa!), mas foi divertido.

Mas o que interessa é que os noivos estavam felizes, apaixonados, o amor é lindo e os amigos são para essa coisas.

PS. A cerimonialista nem imagina que a gente roubou uns docinhos enquanto esperava para bater as fotos. Foi o auge da nossa rebeldia.

Um comentário:

  1. Anônimo12:04 PM

    melhor narrativa de casamento EVA!!

    ResponderExcluir