22.7.16

Praia dos Carneiros - Pernambuco



Saímos de São Miguel dos Milagres e pegamos a estrada rumo Tamandaré em Pernambuco. Fomos até Porto da Pedra pegar uma balsa para Japaratinga e de lá seguir pelo litoral.

com farol
japaratinga - alagoas
pernambuco? será?

A Praia dos Carneiros fica em Tamandaré e é bem na saída do Rio Formoso para o mar.

coqueiros e mar

Chegamos em Carneiros antes do almoço, deixamos as malas e fomos ver como era a praia. Nossa pousada ficava entre a parte mais turística de Carneiros e o centro de Tamandaré, numa parte que tinha muito pouca gente, mar com ondas e recifes na beira (que na maré cheia era um pouco perigoso).


Pegamos o carro e fomos para a parte de Carneiros que é mais famosa (onde fica a igreja a beira mar). Confesso que não era bem o que eu esperava porque para começar todos os terrenos daquela área são particulares e para entrar e estacionar, mesmo que num restaurante ou pousada, não é menos que R$30. E tem que pagar na entrada.

carneiros na foz do rio formoso

Nós deixamos o carro no Bora Bora que é tipo um receptivo de tours e estava cheio de gente em plena segunda-feira (muitos turistas vão passar o dia lá vindos de Porto de Galinhas), e fomos andando pela praia para ver a igrejinha.


Até chegar lá tinha muitos vendedores, pessoas oferecendo passeios de barco e cataramãs enormes lotados tocando música alta passando na beira da praia.


O lugar é muito bonito, a igreja é fofa, mas esperava menos gente.

No dia seguinte acordei cedo e fui andando da pousada até a igreja e não tinha ninguém na praia. É outra coisa, o lugar fica até mais bonito. O fim de tarde também é muito bonito.


Fugindo um pouco da muvuca em Carneiros nós fomos para Tamandaré mergulhar nas piscinas naturais que ficam bem na frente da Beira Mar local. Nesse dia choveu muito a tarde, com muito vento, não deu para fazer o passeio de barco pelo rio e mangue e o jeito foi apelar para leitura.

mar azul em tamandaré
lá vem a chuva

Tamandaré tem estrutura de bancos, lojas, supermercados e vários restaurantes. Tem até algumas ruínas históricas.


De Carneiros demos uma passada rápida em Porto de Galinhas para despedir de Pernambuco.

21.7.16

São Miguel dos Milagres - Alagoas

Semana passada fui num road trip com amigas pelo Nordeste. Saímos de Fortaleza de avião até Recife e pegamos um carro rumo Alagoas.

muita cana de açúcar na estrada

A primeira para foi em São Miguel dos Milagres, uma praia ao norte de Maceió e ao sul de Maragogi.


Alagoas tem um litoral maravilhoso com muitos coqueirais, mar azul claro e muitas piscinas naturais para fazer snorkel e ver peixes.


São Miguel dos Milagres é uma vila que cresceu ao redor da rodovia e suas duas praias principais são: Praia do Toque e do Porto. Ficamos numa pousada na Praia do Porto uns 50 metros do mar.

maré super baixa
andando 

O que tem para fazer lá? Basicamente ficar curtindo a praia vendo o tempo e as (poucas) pessoas passando. Tem um passeio de barco que leva até as piscinas naturais, que também dá para chegar de stand up paddle se você quiser fazer um exercício. Na verdade em alguns pontos dá até para ir andando pela água na maré super seca, mas tem pedras, recifes e corais no meio do caminho, então proteger o pé é aconselhado.

andando até a jangada
transparente


A Praia do Porto tem uma vila pequena e é a parte da praia onde ficam os barcos e pequenas jangadas (que as vezes estão atolados na areia esperando a maré subir). Tem alguns bares e restaurantes na beira da praia.


A Praia do Toque tem um coqueiral mais cheio, pousadas bonitas com bares e restaurantes na beira da praia. Comemos num restaurante muito bom, charmoso, não era na beira da praia mas era perto.

#eufui #eutava
no quintal - restaurante

Além das praias e coqueirais a vila não é um lugar para passear e olhar para ver o que tem, não tem vida noturna (se bem que presenciamos um casamento local em um dos bares). Tem uma Praça da Fofoca, mas não vi ninguém fofocando nem fazendo people watching.

cortador de cana
coqueiral nunca é demais

15.7.16

Book Report: A Little Life - Hanya Yanagihara

Esse ano não estou lendo tanto quanto gostaria. Não sei o que aconteceu mas até agora só li quatro livros, é muito pouco. Vou culpar a Netflix, mas isso fica para outro dia. Acontece que comprei um kindle novo (o antigo ainda está bom, mas queria um menor) e agora vou me dedicar mais. Xô maratonas de séries.



Confesso que não compraria esse livro pela capa (mas depois de ler fez sentido, e tem outras capas), mas me foi sugerido insistentemente pela Amazon, depois li o post da Helô sobre o livro e fiquei curiosa. É o primeiro livro no kindle novo. Saiu aqui no Brasil como Uma Vida Pequena.

Adianto que esse foi o livro mais deprimente que já li. Não é ruim de jeito nenhum, mas é muito triste mesmo, do tipo que você fica um pouco arrasada durante a leitura e depois também. Sim tem momentos leves, até alegres mas quando você acha que as coisas vão talvez melhorar um pouco PAH! tapa na cara.

O livro é sobre quatro amigos desde que saem da universidade, vão morar em NYC e os acompanha até seus 50 e poucos anos. Cada um dos amigos tem sua característica: o artista com personalidade forte, o bonito e gentil, o rico e prático, e o inteligente e calado. Algumas pessoas do forum relacionaram esse livro com é With A Little Help From My Friends dos Beatles, acho justo.

A amizade entre os personagens é bonita. São pessoas diferentes, de backgrounds diversos e que de alguma forma naquele espaço e tempo se encontraram e mantiveram a amizade ao longo dos anos. E é daquelas amizades fortes mas que permite agregados que vão aparecendo ao longo da vida. Assim outros personagens importantes surgem.

A história na verdade gira em torno do Jude, o inteligente calado. Dos 4 é o que teve uma infância misteriosa que nos é contada em pedaços ao longo do livro. E não foi fácil. Ainda bem que o passado misterioso do Jude é colocado aos poucos em camadas dentro da narrativa misturando com o presente igualmente dramático. Se fosse tudo de uma vez o leitor ia passar três dias em posição fetal traumatizado depois de cada página.

O personagem que mais gostei foi o Willem, o bonito e gentil. Ao contrário do Jude, que mesmo entendendo seus problemas me irritava muito, o Willem era uma pessoa aberta e flexível mas que também teve seus problemas.

(vou deixar a parte com spoilers nos comentários)

Gostei muito da narrativa do livro. A história é contada por vários pontos de vista e isso deixa a leitura mais interessante, mesmo porque as vezes eu demorava um pouco para saber quem estava contando aquela parte. A leitura flui, e em muitos momentos os problemas dos personagens são quase palpáveis. As descrições são precisas (algumas as vezes excessivas, too much information). São 700 páginas e a autora nos mantém curiosos e interessados em saber o que aconteceu e o que vai acontecer.

Poderia ter algumas páginas a menos e alguns diálogos melhores (haja pedidos de desculpas nesse livro). Não é uma história muito feliz, mas vale a leitura e a experiência.


(Esse livro em alguns pedaços me lembrou o excelente As Incriveis Aventuras de Kavalier e Clay, mas não é tão bom quanto. Sorry Hanya.)






10.7.16

Domingo Corrido (8)

Há quase dois anos eu não fazia uma prova de corrida (a última foi em agosto 2014) e nada melhor do que voltar numa das mais animadas: a maratona de revezamento.

A última vez que reunimos a equipe para correr essa prova foi em 2013.

E a primeira vez que essa prova apareceu aqui no blog foi há 10 anos.


Esse ano foi quase em cima da hora mas conseguimos. Seis pessoas estavam garantidas e aí foi uma busca por mais duas para completar o octeto. Acontece que esse ano a equipe tinha 2 maratonistas e 2 treinando para meia maratona que estavam dispostos a correr duas vezes se precisasse.

Eu voltei a correr no início desse ano e nos treino fico nas distâncias entre 6km e 8km, então 5km para mim estava bom demais.

Não curti muito o percurso cheio de pegadinhas (um desvio surpresa no meio de uma reta) e muito de ver o pessoal voltando quando você está indo. 

Corri confortável, mas não foi o meu melhor. Estava calor (se bem que calor está sempre) e confesso que andei um pouco num ponto de água para refrescar. Não foi meu melhor tempo, inclusive foi até um tempo alto para o que eu vinha treinando, mas para voltar as provas foi bom.

No fim foi tudo bem, todos completaram os 5km, teve uma das corredoras que teve que dar 2 voltas e correu 10km (num tempo ótimo!).


Esse ano nossa equipe tinha 5 mulheres e 2 homens, e duas mulheres fizeram os melhores tempos. 
Girl Power. 




Outros domingos corridos na maratona de revezamento: (1), (2), (3), (4), (5), (6), (7).

8.7.16

Protegendo a cabeça

Quando troquei de bicicleta também decidi trocar de capacete. O meu capacete antigo era daqueles de ciclismo que acho horroroso. Como não pedalo em velocidades que preciso de apetrechos aerodinâmicos fui atrás de uma coisa mais bacana.

Achei lindos os capacetes da Nutcase mas continuei procurando. Um dia passeando no Kickstarter achei um projeto de capacete interessante e comprei.

Foi a segunda vez que fiz uma compra no Kickstarter e valeu a pena (a primeira foi um suporte de notebook). Os donos do projeto sempre mandavam e-mails informando em que passo estava o processo, fizeram várias pesquisas e mesmo atrasando mais de 6 meses a entrega não me importei.

Nesse meio tempo ganhei um capacete de skate, mas protege a cabeça do mesmo jeito e é bem mais bonito do que os de ciclismo. Esse capacete é amarelo e ótimo para os motoristas verem de longe. Tem gente que me reconhece pelo capacete amarelo.

O capacete novo da Thousand é azul escuro mas é moderninho, tem um detalhe que acho que valeu a compra. Tem um buraco do capacete para prender junto com a bicicleta e não ter que ficar carregando por aí.




Pelo atraso ainda mandaram uma bolsa e uma campainha nova para a bike.




Vai ser meu capacete carioca. 

30.6.16

Analisando a música: Everybody Wants To Rule The World (Tears For Fears)

A Thea deixou um comentário pedindo para analisar uma música do Tears For Fears. A banda vem fazer shows no aqui no Brasil em outubro e como gosto de algumas músicas deles achei ótima idéia.

O Tears For Fears é uma banda inglesa formada em 1981 pelo Roland Orzabal e Kurt Smith. Os dois eram amigos de adolescência, formaram um duo e depois uma banda. Li na internet que a primeira banda se chamou Graduate, a segunda History of Headaches (achei ótimo esse nome!) e finalmente Tears For Fears.

O primeiro album deles foi The Hurting, de 1982, que tem: Pale Shelter, Change e Mad World. Esse primeiro album foi bem, mas o sucesso internacional da banda veio com Songs From The Big Chair, 1985, que tem: Shout, Head Over Heels, Mother's Talk e a analisada da vez.

Gosto muito do terceiro album deles, The Seeds of Love (de 1989). Tem músicas mais elaboradas e teve hits como Woman In Chains, Advice For The Young At Heart e Sowing The Seeds of Love. Desse album também destaco de Badman's Song e Year of the Knife.

Vi o Tears For Fears tocando ao vivo na Apoteose no Rio de Janeiro em 1990, e gostei muito do show, eles são muito bons ao vivo. Trouxeram a Oletta Adams, vocalista maravilhosa e pianista que faz um dueto com o Roland Orzabal em Woman in Chains e Badman's Song, e foi um upgrade total em todas as outras músicas.

Os dois se separaram em 1991, mas o Roland Orzabal seguiu com outros músicos usando o nome da banda e chegou a lançar mais dois albuns.

Se juntaram outra vez em 2000, retomaram a parceria e lançaram um disco em 2005: Everybody Loves a Happy Ending. Como eu parei de saber o que eles faziam depois que se separaram lá em 1991 (e tinha abraçado o rock grunge) não conheço nada desses outros albuns mais recentes.

Tenho pelo menos 10 músicas dos primeiros albuns no iPod e o shuffle quase sempre manda uma na hora da corrida.

Foi difícil escollher uma música, mas nesses tempos de Brexit, eleições nos EUA com Trump na parada, Isis aterrorizando e situaçao confusa por aqui, achei que esse sucesso de 1985 cai como uma luva nos dias de hoje.

Muitas das músicas do Tears For Fears tem essa temática de colocar indignação para fora e reclamar de tudo que está acontecendo. De forma pop, claro. Vide Shout com "in violent times, you shouldn't have to sell your soul", Sowing the Seed of Love com "Politician grannie with your high ideals, have you no idea how the majority feels, we're fools to the rules of a government plan" e até Woman in Chains "it's a world gone crazy, keeps woman in chains."

Everybody Wants To Rule The World é sobre isso mesmo, gente que quer dominar o mundo colocado de forma poética e dançante com uma batida pop anos 1980.


Welcome to your life
There's no turning back
Even while we sleep
We will find you acting on your best behavior
Turn your back on Mother Nature
Everybody wants to rule the world

Roland e Kurt dividem os vocais nas músicas e essa é cantada pelo Kurt Smith. Tem gente no Forum que diz que essa música é sobre ou inspirada no 1984 do Geroge Orwell, não achei nada confirmando isso mas o livro também é sobre poder e controle dos governos. A banda diz que essa música surgiu rapidinho depois de trabalharem por muito tempo em Shout. (Acho Shout uma daquelas músicas que começa bem mas fica chaaataaaa - vou fazer um top 5 dessas músicas)

Acho essa música um pouco confusa, como se eles quisessem usar a frase "Everybody wants to rule the world" de qualquer jeito e colocaram outras coisas só para preencher espaço da música. Mas vamos ver o que diz o resto da letra.

A música já começa com uma frase fato: seja bem vindo a sua vida, agora não tem mais volta. Não sei quem é esse "nós" da música, mas é quem observa a todos e sabe que mesmo quando nós, humanos, estamos no nosso melhor comportamento podemos dar as costas a mãe natureza. E assim surge o lixo, a sujeira, as brigas, desentendimentos e guerras.

Lado negro da humanidade. Todos querem dominar o mundo.

It's my own design
It's my own remorse
Help me to decide
Help me make the most of freedom and of pleasure
Nothing ever lasts forever
Everybody wants to rule the world

Então ele diz que é seu próprio desenho/criação e também seu arrependimento. O que? Acho que o estilo de vida. E pede ajuda aos universitários para decidir e aproveitar o máximo da liberdade e prazer. Nada dura para sempre. FATO.
Temos uma pessoa que quer mudar mas está sem coragem.
Acontece que todos querem conquistar o mundo e cada um sabe da sua vida.

There's a room where the light won't find you
Holding hands while the walls com tumbling down
When they do I'll be right behind you
So glad we've almost made it
So glad they had to fade it
Everybody wants to rule the world

"Tem um quarto onde a luz não vai te encontrar" é uma forma poética de dizer quarto escuro. OU uma forma de dizer que tem como escapar da luz (que luz maligna é essa?) mas que as paredes fatalmente irão cair. Pelo menos não vai estar sozinho.
No modo filosófico pode ser que a pessoa tenha idéias (ou sonhos) que fogem do padrão, da sociedade, e nesse quarto escuro pode contemplá-las, mas que um dia terá que desistir de algumas delas para continuar a vida coletiva.

Todos querem mandar no mundo.

I can't stand this indecision
Married with a lack of vision
Everybody wants to rule the world

Mas não aguenta essa indecisão casada com falta de visão. Rimou. Resumindo: em cima do muro.

Say that you'll never never need it
One headline, why believe it?
Everybody wants to rule the world

"Diga que nunca vai precisar." De que? Conquistar o mundo?
Uma manchete, por que acreditar? Isso é verdade, do jeito que andam as notícias não dá para ler só a manchete sem ler o resto, vai que é pegadinha tipo Meia Hora.

All for freedom and for pleasure
Nothing ever lasts forever
Everybody wants to rule the world

Tudo pela liberdade e prazer, tentar ser feliz. Porque com essa briga toda pelo poder nada dura para sempre mesmo.


Um video clássico dos anos 1980. Adoro a coreografia que os dois caras fazem no posto de gasolina.


27.6.16

Game of Thrones 6a temporada

Uma temporada Girl Power. Yeah!

COM SPOILERS.

E lá vem textão.

Avisei.

Kings Landing

A Cersei fez o walk of shame na temporada passada mas ainda teria que passar por um julgamento. Ela passou boa parte da temporada sentada tomando vinho, tendo ódio do Pardal e não acreditando que teve um filho tão bananão quanto o Tomen.

Cersei e Jamie declararam seu amor incestuoso eterno e ele foi para outra parte de Westeros conquistar alguns castelos e aliados. Jamie encontrou Brienne (adoro a amizade sincera deles), tiveram um papo amigo, concordaram em discordar e ele deixou ela fugir num barco.

A Margaery decidiu seguir as regras do Pardal, se fez de boazinha para livrar seu irmão do porão e até mandou a Vó Tyrell embora com medo que o Pardal fizesse algo com ela.

Lembrando que a Vó Tyrell tentou junto com Jamie e Cersei se livrar do Pardal mas perdeu o jogo quando o Reizinho Bananão deu apoio a bancada religiosa.

A Cersei estava crente que ia se safar no julgamento por batalha usando seu fiel escudeiro Montanha mas seu filho, o Reizinho Bananão, decidiu mudar as regras e ela seria julgada pela bancada religiosa.
"Oh, no you didn't!" disse Cersei.

Cersei, com ajuda das crianças de Neverland, apenas pegou todo resto de wildfire (uma espécie de geleca verde muito inflamável) e BOOM! explodiu o templo com toda bancada religiosa dentro. De quebra matou também a Margeary, o irmão e o pai dela, acabando assim com os Tyrell (menos a Vó Tyrell que foi buscar vingança com a família do Oberyn, mas isso fica para a próxima temporada.)
Reizinho Bananão foi digno de se jogar pela janela e a Cersei, depois de uns goles de vinho, sentou no trono de ferro.

Queen Cersei Lannister.

Jamie voltou da colônia de férias para ver tudo que a Cersei aprontou.

"Cersei, mermã, tu é doida ou tu te faz?", JamieOG.

Ele não está nem um pouco feliz, afinal descobrimos que ele matou o Rei Maluco Targaryan porque ele ia explodir a cidade. Então, Jamie, o que você vai fazer?

Enquanto isso Cersei senta coroada no trono tomando uns bons drinks.

(Acontece que ela não sabe o que a espera.)


O que me leva ao Núcleo Mother of Dragons.

Dany (a Mother of Dragons) terminou a temporada passada sendo abduzida pelo povo dos cavalos do seu primeiro marido. Chegando na vila ela diz que foi esposa do Drogo e os homens decidem que ela tem que morar com as viúvas num retiro. Bem, eles não conhecem a Dany, ela disse No. No. No. e mostrou quem tem poder queimando o chalé com todos os líderes dentro e saindo ilesa. Depois ela pegou seus dragões e foi para Mereen acabar com a bagunça que o Tyrion (nosso anão favorito) meio que começou.

Dany e Tyrion fazem uma ótima dupla. E Tyrion com o Careca Eunuco também.

Aí a Dany recebeu o Theon Greyjoy e sua irmã Yara.

Pausa para contar que teve quase que um episódio inteiro onde a Yara estava quase para ser rainha das Ilhas de Ferro mas o tio chegou e melou tudo. Aí ela pegou o irmão e os barcos e foi atrás da Dany para fazer uma aliança. (A Yara mostrou para o Theon que não precisa ter um wurst para ser feliz.)

Dany sentiu o clima esquentar com a Yara, curtiu e disse sim para os navios.

Dany se despediu do Sir Jorah e do Daario, seu namorado lindão, e foi com Yara, Theon, Tyrion, Tradutora, Careca Eunuco, exército de eunucos, povo dos cavalos, mil barcos e três dragões rumo a Westeros.

Dorme com essa Cersei.


Os Starks

Bran. Começou a temporada fazendo seu estágio na Netflix com Corvo de três olhos dando voltas pelo passado. Acontece que o Bran quis acessar canais sozinho e acabou encontrando o rei dos White Walkers que descobriu onde ele estava e foi lá com o exercito de zumbis. Na fuga o Corvo morre mas não sem antes baixar todo seu conteúdo na cabeça do Bran passando o bastão de Corvo. Nisso descobrimos que Hodor siginficava Hold The Door, e ele segurou a porta mas morreu para o Bran fugir. Momento lágrimas, todos choram morte de Hodor. Bran reencontra o tio Benjen que tinha sumido na 1ª temporada e o tio o ajuda a chegar mais perto da muralha.

Arya. Na temporada passada ela ficou cega e nessa temporada começou sendo pedinte na rua e de vez em quando era atacada por sua colega de treino. Arya conseguiu recuperar a visão, voltou a escola de assassinos e recebeu sua primeira missão para matar uma atriz que fazia a Cersei numa peça (muito engraçada mas nada verossímel). Acontece que Arya viu que a mulher era gente boa, não conseguiu matá-la, não concluiu o curso na escola de assassinos, pediu para sair, mas nessa escola é matar ou morrer então levou umas facadas da sua colega. Como a Arya é a Stark com mais culhões ever, ela se recuperou relâmpago dos ferimentos, fugiu da sua colega que corria estilo T-1000 e lutaram no escuro. Arya ganhou claro e com isso ganhou também o direito de riscar livremente os nomes da sua listinha de revenge. Ela foi direto no Frey e seus filhos. Fez uma torta de dedinhos. PAH!

O Hound não é Stark mas vai nesse bolo. Todos achavam que ele tinha morrido quando a Arya o abandonou depois da briga com a Brienne lá na 4a temporada, mas não, ele sobreviveu e foi morar com o hippies de Westeros. Como nada na vida dele é fácil, os mercenários mataram os hippies (depois de um discurso contra violência do lider deles) e o Hound voltou a ser uma pessoa que corta a cabeça dos outros fora.

Outro aleatório que cabe aqui é o Sam. Ele foi até a casa de sua família só para ser humilhado pelo pai, criou coragem, roubou a espada de aço valeriano e foi atrás de seu sonho que é ler numa biblioteca. Tudo isso junto com Gilly e seu filho.


Jon Snow e Sonsa.

Jon Snow morreu, mas voltou. A Bruxa Ruiva o trouxe de volta (e de quebra descobrimos que ela é uma velha de 100 anos). Jon Snow voltou dos mortos determinado a largar tudo e viver uma vida livre leve e solta, então depois de matar quem o matou ele estava fazendo as malas quando a Sonsa chegou com a Brienne.

Os meio-irmãos que não se viam desde a primeira temporada se encontraram. Finalmente!

A Sonsa, que sofreu um bocado nas últimas 2 temporadas, queria vingança contra o Ramsay e disse para o Jon Snow que com ele ou sem ele iria reconquistar Winterfell. You go girl!!

Jon Snow, que sempre cai de paraquedas nessa posição de liderança que ele nunca quer, acata a decisão de Sonsa e vai lutar.

Sonsa mandou Brienne falar com seu tio Blackfish, onde ela encontrou o Jamie Lannister. Não posso deixar passar a paquera da Brienne com o Ruivão Wildling, shippei.


Jon Snow e Sonsa foram juntos atrás de aliados para enfrentar o Ramsay Bolton (que a essa altura tinha matado o pai e o irmão bebê para ser o dono de Winterfell).

Nesse momento conhecemos a melhor personagem da temporada: Lady Lyanna Mormont. Concisa, direta, fala verdades, é fiel, sabe escrever cartas, é bem assessorada e sabe encarar como ninguém. E ela só tem 10 anos! Imagina quando ficar mais velha. Não gostava tanto de uma personagem desde o Oberyn (RIP), tenho até medo de gostar dela e ela kaput na próxima temporada.



Lady Mormont entregou seus 62 soldados a Jon Snow e Sonsa e junto com alguns outros foram lá ter uma conversinha com Ramsay Bolton.

Ramsay apareceu lá na 3a temporada como um torturador do Theon Greyjoy e de lá para cá ele se tornou um dos melhores vilões da série, um psicopata sádico imprevisível.

Jon Snow queria lutar one on one com Ramsay e poupar os seus homens, mas Ramsay, como bom covarde que é, não aceitou e escolheu a guerra. Sonsa tentou alertar Jon Snow a não fazer o que o Ramsay queria, que ele é um sádico que gosta de torturar pessoas, yada, yada, yada, mas Jon Snow achava que tinha tudo dominado, mas todo mundo sabe que "You know nothing Jon Snow.".

No dia da Batalha dos Bastardos o Ramsay chegou com Rickon, o baby Stark, que estava sumido desde sei lá qual temporada, e o colocou para correr no campo enquanto atirava flechas. Baby Stark não conhecia a tática do zig zag e morreu com uma flechada antes que Jon Snow chegasse até ele.

E aí tivemos a cena mais bonita da temporada.


E que batalha sensacional! E sangrenta. Depois de sofrer um bocado, quase morrer (outra vez) sufocado, Jon Snow e seus homens foram salvos pelo exército do Littlefinger que foi chamado pela Sonsa. Aí Jon Snow conseguiu chegar até Ramsay Bolton, encheu ele de porrada mas como é um gentleman deixou o golpe final (e cachorros famintos) para Sonsa. Well done Starks.

E aí tivemos uma reunião com as famílias do Norte (e os Wildlings) onde a Lady Mormont (sempre ela) mostrou a todos quem deve o que a quem e Jon Snow acabou sendo declarado Rei do Norte. (Notícia que ele recebe com surpresa de quem não espera receber um Oscar. "Eu? Tem certeza? Ai, gente, não esperava.")

O Jon Snow é sempre relutante em ser líder apesar de sempre ser escolhido para essa posição. Ele é fiel, ótimo guerreiro, tem sangue nos olhos quando atacam a família, mas adora uma conversa, é o Rei da DR, evita o confronto. Acontece que ele sabe o perigo maior que são os White Walkers e sabe que todos precisam se unir. Aguardo ansiosamente o encontro dele com a Mother of Dragons.

(Um parenteses para falar do Sir Davos que foi um aliado ótimo. E ele finalmente descobriu que a Bruxa Ruiva foi quem deu a idéia de queimar a garotinha fofa na temporada passada e pediu justiça ao Jon Snow. A Bruxa Ruiva, que passou a temporada deprimida, agora vai ter que ir para o sul.)

Aí descobrimos, através de uma visão do Bran, que Jon Snow é filho de Lyanna Stark, irmã do Ned Stark, com, provavelmente, o irmão da Mother of Dragons. O Mindinho tinha contado essa história de amor entre a Stark e o Targaryan na temporada passada mas ninguém sabe que eles tiveram um filho. (Bem, segundo a visão do Bran, a parteira que estava na torre e o amigo do Ned Stark sabem, mas ninguém sabe onde eles estão.)


Então temos: Jon Snow herdeiro de um Targaryan e de uma Stark sendo Rei do Norte com Sonsa ao seu lado (mas ela deve favores ao Littlefinger).
Só tem um lobo sobrando. (ou dois? nem lembro mais.)
White Walkers chegando perto.
Cersei sentada no trono de ferro bebendo vinho.
Arya se vingando de tudo e todos.
Mother of Dragons chegando lindamente com seus dragões em Westeros pronta para qualquer negócio.

Vem 7a temporada!

Ah, e para terminar esse post do tamanho da muralha: O FUC*&NG INVERNO CHEGOU!



(Da 1a a 3a temporada, 4a temporada e 5a temporada)

21.6.16

Pedalando na Beira Mar

Finalmente uma ciclofaixa/ciclovia na Beira Mar de Fortaleza. Melhorou muito a minha vida de ciclista.



Essa ciclovia era para ter sido feita quando reformaram o calçadão na década de 1990, mas além de colocar uma cerâmica péssima e escorregadia em dias de chuva, esqueceram que pessoas gostam de pedalar a beira mar.

Em 2014 começou a ciclofaixa do domingo e o número de ciclistas aumentou muito. Pessoas que adotaram as bikes como meio de transporte. De lá para cá também aumentou o número de ciclofaixas pela cidade, mas a da Beira Mar não vinha.

A prefeitura tinha um novo projeto para o calçadão da Beira Mar que incluía uma ciclovia mas acho que a demanda cresceu rapidamente e resolveram fazer logo essa ciclovia de mão dupla. (E já começaram a reforma do calçadão)



A ciclofaixa da Beira Mar também veio para resolver o problema dos corredores da noite. De manhã cedo colocavam os cones para as pessoas correrem no asfalto (já que a cerâmica do calçadão é péssima), mas a noite era uma bagunça com pessoas e bicicletas andando an contra-mão do fluxo de carros do lado contrário do calçadão (só vendo a bizarrice para entender). Sem contar os ciclistas sem noção que pedalavam no calçadão porque tinham medo dos carros. Agora todos podem usar a ciclofaixa que é compartilhada.

a regra é clara


Como já disse em outros posts, Fortaleza é uma ótima cidade para pedalar. É uma cidade concentrada, as distâncias são curtas, tem algumas ladeiras mas nada que uma bike com uma marcha leve não resolva. Por mais que a prefeitura, construtoras e algumas pessoas derrubem as árvores da cidade ainda é relativamente arborizada e tem bastante sombra nas ruas. É uma cidade quente? Sim, mas tem muito vento e como as distâncias são curtas quando você começa a suar já chegou. Os motoristas (de carro) estão se acostumando com os ciclistas e respeitam. Já os motoqueiros não, esses inclusive adoram invadir a ciclofaixa achando que ali é espaço deles, mas essa é uma reclamação para outro dia.

Alguns ciclistas também precisam se educar e espero que com o tempo teremos um transito civilizado de bicicletas.