16.1.20

+ Filmes

Três filmes concorrendo no Oscar.

Jojo Rabbit

Filme do Taika Watiti que também dirigiu os ótimos What We Do In The Shadows, Hunt for The Wilder People e o melhor dos Thors: Thor Ragnarok.

É sobre um menino que faz parte da juventude hitlerista durante a segunda guerra. Ele participa de uma espécie de acampamento para jovens nazistas e lá ele aprendem que judeus são monstros. Monstros com chifres e rabos. Jojo (o menino) tem um amigo imaginário que é ninguém menos que Hitler himself.

Acontece que Jojo vai descobrir que as coisas na vida não são bem como a galera da colonia de férias nazista diz que é. Que a vida tem beleza e terror.

Esse filme é fofo, tem muita rapidez nos diálogos, que se piscar você não pega, e emociona.

A Tia Helô gostaria do menino Jojo e do Yorki, o melhor amigo do Jojo (sem ser imagináro). 215 "Ai, Jesus!" para Hitler dançando.

Esse filme concorre a 6 Oscars: Filme, Roteiro Adaptado, Atriz Coadjuvante (Scarlett Johasson), Figurino, Design de Produção e Edição.

(e, como falei do post do TIFF, o vencedor do Festival de Toronto sempre é indicado ao Oscar de Melhor Filme)


Adoráveis Mulheres

Little Women é uma história mais do que conhecida. O livro é de 1868 e já teve 4 adaptações para o cinema (incluindo essa) e mais algumas para TV.

É a história das irmãs March no período da Guerra Civil americana, e depois quando Jo March tenta ser escritora em NYC.

O livro é semi autobiografico, baseado na vida da própria Louisa May Alcott. Estive na casa dela em Concord e fiz o tour guiado.

Greta Gerwig fez um trabalho incrível nesse filme. Ela foi fiel ao livro e a vida da Louisa May Alcott, ao mesmo tempo que deixou a história contemporânea. A Saoirse Ronan como Jo March está excelente, Emma Watson é a irmã mais velha, Eliza Scanlen é Beth e a ótima Florence Pugh faz a irmã mais nova Amy. O vizinho amigo (e interesse amoroso) é o Timotheé Chalamet.

Gostei muito desse filme. Só duas coisas me incomodaram um pouco: Florence Pugh faz a Amy de 13 anos e de 20 anos, só que ela quando tem 13 anos fica parecendo uma adulta fazendo uma criança, mas ela adulta é sensacional. A outra coisa foi o menino Timotheé que os anos passam no filme e ele continua com cara de criancinha perdida, mas tem uma cena com a Saoirse Ronan que é ótima.

A Tia Helô gostaria de ver as meninas March tão bem representadas. 21 "Ai, Jesus!" para o professor Friedrich, esse comeu croissant de primeira quando criança na França.

Concorre a 6 Oscars: Filme, Atriz (Saoirse Ronan), Atriz Coadjuvante (Florence Pugh), Roteiro Adaptado, Figurino e Trilha Sonora Original. Achei que Greta Gerwig merecia estar na categoria Direção.


O Farol

Um filme sobre dois homens que vão tomar conta de um farol. Eles tem que ficar lá por um mês. Só os dois numa ilha. No meio de uma tempestade.

Conhecemos a rotina dos dois e aos poucos acompanhamos como a loucura vai se instalando. A comida acaba, só sobra bebida. O mais novo sente que o mais velho não o deixa fazer nada além do básico. O mais velho acha que o mais novo que tomar seu lugar e os dois brigam pela luz do farol.

Robert Pattinson (que só chamo de Vampirinho) está ótimo nesse filme, o Willem Dafoe também. O que me tirou um pouco desse filme é o diálogo teatral que me cansa demais e no meio do monólogo do Willem Dafoe eu já estava pensando se precisava lavar roupa, se tinha desligado o ventilador quando saí de casa....

A Tia Helô iria achar esse filme muito louco. 519 "Ai, Jesus!" para as gaivotas.

Esse filme concorre a um Oscar: Fotografia. E merece. É todo em preto e branco e tem uma iluminação maravilhosa.

14.1.20

+Filmes

Três filmes em francês.

Atlantics

Filme do Senegal (está na Netflix) que conta a história de um casal jovem. Soulemain trabalha em obras mas não recebe mais o salário e decide se refugiar em outro país, e para isso vai num barco com outros colegas. Ada está de casamento marcado com um jovem rico mas ela gosta mesmo é do Soulemain.

O barco com Soulemain e colegas some, Ada casa mas no dia do casamento sua cama pega fogo e alguém diz que viu Soulemain.

Para resolver o mistério entra em cena um policial que não está bem de saúde e acha que Ada é a culpada pelo incêndio.

Gostei desse filme, nunca tinha visto nada do Senegal.

A Tia Helô diria 612 "Ai, Jesus!" para cada vez que Ada olha no espelho do bar.


Retrato de Uma Jovem Em Chamas

A história é sobre Marianne que é uma pintora (numa época que poucas mulheres eram) e é contratada para pintar o retrato de Heloise.

A mãe da Heloise quer mandar o retrato da filha para um pretendente e Heloise se recusa a posar porque ela não quer casar, ela quer ser freira.

Então Marianne tem que dizer que está lá para ser acompanhante de Heloise em suas caminhadas e a noite tem que pintar de memória.

Esse filme é lindo. Cada frame é como se fosse uma pintura, inclusive parece ser iluminado como nos quadros dos pintores holandeses. A diretora desse filme merecia uma indicação a qualquer prêmio, a fotografia é primorosa.

até o cartaz é lindo

A cena final é maravilhosa. A Tia Helô gostaria da Heloise mas diria 428 "Ai, Jesus!" para cada caminhada na beira do desfiladeiro.

Não sei porque a França não indicou esse filme como seu representante no Oscar.


Synonyms

Esse filme ganhou o Urso de Ouro em Berlim (2019). É sobre um rapaz israelense que quer de todo jeito ser francês. Ele chega em Paris e no primeiro lugar que fica tem suas coisas roubadas enquanto toma banho.

Sim, o início desse filme é quase o Homem Nu. Ele é ajudado por um casal que mora no apartamento vizinho e segue a vida tentando arranjar emprego.

Ele se recusa a falar em sua língua mãe e só fala francês o filme inteiro. Quando fala com seu pai no telefone (que não entende francês) ele fala inglês.

A idéia desse filme é boa, é sobre cultura e língua materna, mas confesso que achei tudo confuso. A trilha sonora é boa.

Tia Helô não pararia de dizer "Ai, Jesus!", a berinjela do moço está presente nos primeiros 10 minutos de filme.

12.1.20

+ Filmes

Filmes que vi ainda em 2019.

The Farewell

Esse filme conta a história de Billi, uma chinesa que mora desde criança nos USA e resiste a idéia da família de não contar para a avó que ela tem uma doença terminal.

O que a família faz? Eles organizam um casamento do primo para que a família se reúna na China para se despedir da vózinha.

O filme é quase todo falado em madarim, tem planos abertos em momentos chave, a vó é ótima e a Billi tem que rever seus conceitos.

Gostei muito desse filme.

A Tia Helô teria gostado da Vó. 31 "Ai, Jesus!" para aquela festa de casamento do primo.


Knives Out 

Esse filme em português saiu com o título ridículo Entre Facas e Segredos, mas é um filme ótimo.

É daqueles filmes de detetive que acontece um crime e ninguém sabe quem foi o culpado.

O patriarca da família Thrombey aparece morto depois de uma reunião de família. A polícia diz que foi suicídio mas alguém contratou o detetive particular Benoit Blanc para investigar o que realmente aconteceu.

Daí para frente o elenco faz sua parte e é tudo muito divertido. A Ana de Armas que faz a enfermeira do morto está ótima!

E tem Chris Evans vestindo uns sweaters maravilhosos.

A Tia Helô iria gostar da bisavó dessa família. 412 "Ai, Jesus!" para quem não consegue mentir nesse filme.


Uncut Gems

Um filme que não é do Adam Sandler com o Adam Sandler e ele está ótimo.

É um drama sobre um comerciante de jóias que gosta de fazer apostas com dinheiro que ele não tem. Ele descobre uma pedra preciosa ainda em estado bruto que ele pretende vender por um milhão de doletas. No meio do caminho ele se mete em muitas confusões, perde dinheiro, apanha, recupera dinheiro, problemas com a família, e por aí vai.

É um filme que não deixa você relaxar nenhum momento, as pessoas falam gritando o tempo todo. Não simpatizei com o problema do personagem do Adam Sandler mas gostei do filme.

A Tia Helô diria 613 "Ai, Jesus!" pra que tanta gritaria???

10.1.20

Jalapão (2)

O terceiro dia no Jalapão começou de madrugada. As 3:30 já estavamos saindo da pousada em Mateiros para o início da trilha da Serra do Espirito Santo.

Sim, subimos no escuro. Não é uma trilha difícil, mas é muito íngreme e as vezes é preciso subir pedras maiores. Tem um tipo de corrimão ao longo da trilha que ajuda muito na subida e na descida.


Chegamos no alto ainda escuro, se não fosse a lanterna não veria um palmo na frente. Sentamos e esperamos o sol nascer. O sol nasceu atrás da nuvens mas a claridade aparecendo nos paredões verdes  da serra foi lindo.


Voltamos para Mateiros para comer, descansar um pouco e já sair para a Cachoeira da Formiga. Nessa cachoeira dava para tomar banho. E que delícia! Quando chegamos tinha algumas pessoas, depois encheu mais, mas sempre dava para achar um espaço para sentir a força da água.


Da cachoeira fomos para o primeiro fervedouro.

Fervedouro é uma nascente de um rio subterrâneo que não tem espaço para uma vazão natural e aí forma uma piscina natural.

Acontece que quando vc pisa na areia vc afunda e ao mesmo tempo é empurrada de volta. E no fervedouro você sempre bóia.


No fervedouro só pode entrar em grupos de 10 pessoas e a duração do banho varia entre 15 e 20 minutos (e tem uma pessoa controlando o tempo).


Almoçamos e fomos para o segundo fervedouro (Buriti). O primeiro fervedouro (Macaúbas) era mais raso e dava para sentir os efeitos da ressurgência melhor. O segundo fervedouro era mais fundo e um pouco maior.



Depois de tanto boiar voltamos para Mateiros e fomos para a festa do reveillon (que foi muito animada).

No último dia fomos ao terceiro fervedouro (Bela Vista), e nesse tinha uma plataforma para tirar fotos do alto, era maior que os outros dois e mais fundo também.


De lá pegamos a estrada de volta para Palmas e no meio do caminho paramos para ver a Serra da Catedral.



Com banho de lagoa, rio, cachoeira, chuva e fervedouro, terminei 2019 e comecei 2020.


Jalapão (1)


7.1.20

Jalapão (1)

Quando minha amiga disse que ia passar o fim de ano no Jalapão pensei duas vezes porque viajar na última semana do ano é sempre um inferno, mas depois decidi ir e foi ótimo!


Nós fizemos um tour de 4 dias saindo de Palmas.

No primeiro dia fomos até Ponte Alta que seria nossa primeira cidade base. Não vi muito da cidade além da Ponte Alta.


Nossa primeira parada foi a pedra furada. Todo lugar tem uma pedra furada para chamar de sua, inclusive o Jalapão. A vista lá de cima é linda. Geralmente é um passeio feito no por do sol, mas como era fim de ano e tudo estava cheio de gente, fizemos pela manhã no contra fluxo.



Depois voltamos até Ponte Alta para ir na Lagoa do Japonês que fica em Pindorama. A estrada de terra até a lagoa tem uma parte que desce na ida e sobe na volta. Alguns carros param no meio do caminho porque não conseguem subir.


A Lagoa tem uma estrutura com restaurante, banheiros, tirolesa, tem dois piers e uma plataforma boiando no meio.


A água é cristalina, fria na medida certa e tem uma gruta. Para entrar na lagoa tem que ser calçado de alguma forma porque tem pedras no fundo que cortam mesmo. Usei uma papete, mas tinha gente de havaianas e lá eles alugam aqueles sapatinhos de borracha.


A lagoa estava cheia e a parte da gruta mais ainda mas tinha espaço para todo mundo.


Da lagoa fomos direto para a pousada fazer uma massagem.


No dia seguinte saímos cedo em direção a Mateiros. Choveu um pouco e daqui para frente foi só estrada de terra.


Paramos num posto de entrada do Parque do Jalapão que fica do lado da fazenda onde dizem que Pablo Escobar se escondia.


De lá fomos para a Cachoeira da Velha, uma cachoeira linda que estava bem cheia.


Da cachoeira fomos na praia do Rio Novo. Lá fizemos um piquenique e fomos para as dunas vermelhas.



O sol saiu e o laranja das dunas apareceu.


As dunas são bonitas especialmente realçadas com o verde dos morros, das árvores e palmeiras em volta. Não ficamos para o por do sol porque nessa época o sol se esconde atrás das nuvens.



No fim do dia chegamos em Mateiros, a cidade do Jalapão. É pequena com várias pousadas e alguns restaurantes.


A seguir: dois dias de muito banho e uma trilha.


Jalapão (2)



6.1.20

Palmas, TO

Passei o final de ano e virada no Jalapão, mas, antes de contar do Jalapão, um pouco da capital do Tocantins.

Feliz 2020!

O Tocantins é um estado novo e consequentemente sua capital, Palmas, é uma cidade nova, tem 30 anos.



Palmas é uma cidade planejada. É uma cidade de avenidas largas, com 3 ou 4 pistas de cada lado, interligadas por rotatórias. Ou seja, o pedestre não tem vez. Nas ruas menores dentro das quadras (sim, Palmas, assim como Brasilia, é dividida em quadras) não existe calçada. Andar em Palmas só na beira rio.


O centro de Palmas é a Praça dos Girassóis. É lá que fica todo o centro administrativo do estado (palácio, secretarias, assembléia legislativa), a catedral (ainda em construção) e o monumento a Coluna Prestes.

palacio do araguaia e ponto geodésico do brasil.

A Avenida Juscelino Kubistcheck atravessa toda a cidade, passa no meio da Praça dos Girassóis e vai até o Rio Tocantins. Essa avenida divide a cidade em norte e sul. Leste da praça são as quadras de número par e para o oeste as quadras de número impar.

É uma cidade muito verde, tem muitas árvores mas as árvores não estão onde os pedestres andam.


Em Palmas faz muito calor, mas pela manhã cedo e a noite é agradável. Tudo em Palmas é no ar condicionado, e forte. As edificações não são projetadas para aproveitar nenhum tipo de ventilação natural, são quase todas caixotes que, sem ar condicionado, é mais quente dentro do que fora.

Tem o Parque Cesamar que não fui mas todos os locais disseram que era ótimo.

A beira rio é urbanizada, tem ciclovia, tem praia de rio e de lá pegamos um barco para ir até a Ilha da Canela.

praia da graciosa

A ilha é um banco de areia no meio do Rio de onde tem uma vista bonita da cidade com a chapada atrás. Tem bar e restaurante e uma área protegida para tomar banho (afinal, tem piranhas no Rio Tocantins).



E foi em Palmas que começamos e terminamos a viagem ao Jalapão.




27.12.19

Momento TOC Livros (13)

Esse ano li mais no início do ano do que no fim mas consegui passar da meta de 20 livros. Li 21 livros.

Teria lido mais dois mas aí....Amazon Prime AND Netflix.

Vou manter a meta de 20 livros. Já tenho 4 na mesa para 2020.

E vamos aos livros de 2019.


- 79 Filmes Para Assistir Enquanto Dirige - Choque de Cultura - O Choque De Cultura foi um fenômeno do youtube em 2018, os motoristas de van que mais entendem de cultura no país comentando filmes é um programa hilário. Os 79 filmes do livro são variados: tem ação, drama, filme infantil, suspense, terror e romance. Cada integrante comenta um filme e é impossível ler e não ter a voz de cada um na cabeça. Eles também dão subtítulos como: Laranja Mecânica - Não tem laranja no filme, Taxi Driver - A praga do Uber!, Ela - Não se apaixone pelo seu celular. Claro que se você viu os filmes aproveita mais os comentários. Tem a história de cada um dos motoristas e de brinde uns desenhos do Renanzinho.

- Less - Andrew Sean Green - Esse livro conta a história de Arthur Less, um escritor que acbou de fazer 50 anos. Ele descobre que seu ex-amante vai se casar e, para não estar por perto do dia do casamento, Arthur arranja um tour de palestras e cursos que passa pelo México, Itália, Alemanha, Marrocos, India e Japão. Tem uma parte ótima que o Arthur acha que sabe falar alemão só que não. Gostei desse livro. (em português: As Desventuras de Arthur Less)

-10:04 - Ben Lerner - Outro livro sobre um escritor (e poeta) que descobre que tem um problema de saúde que pode ser fatal e sua amiga pede para ele ser o pai de seu filho. Ele consegue um contrato para escrever um livro e com o dinheiro ele vai pagar o tratamento para amiga engravidar. Esse livro é escrito em forma de contos, alguns bons outros nem tanto. No fim desse livro eu nem lembrava mais do início.

- The Pisces - Melissa Broder - É sobre uma mulher, Lucy, que está com a tese de PHD parada porque deu um branco nela e tem um prazo para terminar. Ela fica um pouco descontrolada, acaba com o namorado, depois o agride, e a irmã oferece para ela passar uns dias em Venice Beach (festa estranha com gente esquisita). Lucy não é simpática, é egoista, má, autodestrutiva e viciada em atenção. Ela começa a participar de um grupo de apoio e vai em dates péssimos do Tinder. Um dia ela conhece um nadador que só aparece na praia a noite. Peguei esse livro sem nem ler a sinopse, achei bizarro, mas no fim gostei.

- Bad Blood: Fraude Bilionária no Vale do Silício - John Carreyrou - Sobre a ascensão e queda da Theranos, uma startup de biotecnologia e como sua fundadora Elizabeth Holmes enganou muita gente por dinheiro. Escrevi um post sobre esse livro.

- Jane Austen, The Secret Radical - Helena Kelly - Nesse livro os trabalhos da Jane Austen são analisados além da idéia geral que eram apenas história românticas. Cada capítulo é um dos livros e em cada um a autora tem bons argumentos. Alguns dos assuntos apontados por ela achei que estavam óbvios nos livros, afinal Jane escrevia lindamente e conseguia colocar esses temas (herança, escravidão, o clero, a nobreza e até evolução) no meio de suas histórias românticas. Achei a estrutura do livro um pouco chata (todo capítulo ela começa com uma carta), as vezes acho que ela forçou amizade em alguns pontos, mas no geral achei uma leitura interessante. E claro que aproveita mais quem leu os livros da Jane Austen.

- Maria Bonita: Sexo, Violência e Mulheres no Cangaço - Adriana Negreiros - Esse título engana um pouco porque, apesar dela falar das mulheres, é mais sobre o cangaço em geral. Inclusive a autora justifica a falta de informações aprofundadas sobres as mulheres porque seus relatos era descreditados. O cangaço foi romantizado mas eram bandidos violentos que aterrorizavam o interior do nordeste. As mulheres do bando eram roubadas de suas famílias, poucas realmente escolhiam a vida no cangaço, uma delas foi Maria de Déa (que virou Maria Bonita depois que morreu) que largou o marido por Lampião. Para quem não sabe nada do cangaço é um bom livro que conta o dia a dia dos cangaceiros. Só me incomodou que a autora inseria gírias nordestinas no meio do texto sendo que ela não tem intimidade com essas palavras e ficava estranho.

- Uma Sensação Estranha - Orhan Pamuk - O Ohran Pamuk escreve lindamente essa história de um rapaz, Melvet, que sai do interior da Turquia para vender iogurte com seu pai em Instambul. O livro acompanha a toda a história de Melvet, do crescimento de Istambul e da mudança de governo da Turquia. É um novelão.

- O Desaparecimento de Stephanie Mailer - Jöel Dicker - É um livro sobre um mistério. A Stephanie Mailer do título é uma jornalista que vai investigar um crime (homicídio quadruplo) que aconteceu 20 anos antes numa cidade pequena e o acusado morreu na perseguição da polícia. Ela fala para um dos investigadores que eles prenderam o assassino errado e depois some. O investigador Jesse vai a cidade investigar o desaparecimento e de quebra o crime anterior. Tem vários personagens periféricos e o plot twist é bom.

- Normal People - Sally Rooney - Um livro sobre dois jovens e sua história de amor. É muito bem escrito, você se sente envolvido o tempo todo. É sobre a capacidade (ou não) que as pessoas tem de se comunicar e como os millenials se relacionam. (Em português: Pessoas Normais)

- The Great Believers - Rebecca Makkai - Esse livro conta a história de um grupo de amigos nos tempos da AIDS em Chicago nos anos 1980. A história começa com a morte de um deles e depois foca em Yale amigo do falecido, que trabalha em uma galeria de arte, e em Fiona, irmã do falecido. Tem uma parte do livro que passa 30 anos depois em Paris. Me lembrou de Uma Vida Pequena, outro livro ótimo sobre um grupo de amigos.

- Daisy Jones & The Six - Taylor Jenkins Reid -Daisy Jones era uma jovem filha de artistas, cantora e compositora na California. The Six era uma banda da costa leste formada por dois irmãos, Billy e Graham. The Six foi para Los Angeles e o agente achou que seria uma boa idéia juntar Daisy com a banda para uma música. Deu match musical entre Daisy e Billy e acabaram fazendo um disco inteiro. Tudo isso nos anos 1970 com muito sexo, drogas e rock and roll. A narrativa desse livro é em forma de entrevistas. Gostei desse livro. (mesmo título em português)

- O Pior Dia de Todos - Daniela Kopsch - Esse livro conta a história de Maria Laura e Natália, duas meninas que estudavam na escola de Realengo e foram vítimas do ataque em 2011. A primeira parte do livro conta a história da familia delas (elas são primas) e como era a vida delas antes do massacre. A segunda parte do livro é o que aconteceu depois. São personagens fictícias baseadas nas pessoas que a autora conheceu quando foi jornalista cobrindo o ataque. O livro carece de uma certa fluidez mas é bom.

- Maybe In Another Life - Taylor Jenkins Reid - Gostei da prosa a Taylor Jenkins Reid em Daisy Jones e resolvi ler outro livro dela. Nesse livro a Hannah decide largar o amante casado e volta a morar em Los Angeles, onde passou a adolescencia. Lá ela reencontra sua amiga Gabby e um ex-namorado do college. Ela passa a noite conversando com ele e no fim ele pergunta se ela quer ficar (na casa dele) ou ir embora. Aí a timeline se divide em duas: a que ela fica e a que ela vai embora. É Chick Lit dos bons (mas o livro da Daisy Jones é melhor).

- Three Women - Lisa Toledo - Um estudo sobre o desejo sexual feminino e relacionamentos (afetivos e sexuais). que durou 10 anos e resultou nesse livro. A Lisa Toledo viajou por todos os Estados Unidos e escolheu três mulheres para contar suas histórias. Uma adolescente que teve um caso com um professor, uma mulher casada que o marido não quer mais sexo com ela então ela busca um namorado antigo, e uma mulher rica, bem casada mas num relacionamento meio aberto. Foi uma leitura interessante, mas as vezes tinha detalhes demais e outras de menos. (em português Três Mulheres)

- Só As Partes Engraçadas - Nell Scovell - A Nell Scovell é roteirista, produtora, diretora e showrunner. Ela escreveu para várias séries, filmes, programas de variedades e até para o Obama. No livro ela conta como é difícil trabalhar no ambiente machista de Hollywood e fala algumas verdades. O que me impressionou nesse livro é o processo de criar uma piada. É muito menos natural do que imaginava, as vezes para chegar numa punch line é preciso 5 pessoas discutindo o que é melhor. E no fim ainda tem a pessoa que vai falar a piada e pode sair diferente do quem escreveu imaginou. Não achei as piadas dela tão engraçadas assim mas ela escreve o livro com muito senso de humor.

- Fun Home - Alison Bechdel - Uma graphic novel autobiográfica sobre a família da Alison Bechdel. Os desenhos são todos num tom de azul e Fun Home vem de Funeral Home, a casa que a familia morava também era uma casa funerária. Um ótimo trocadilho. Ela conta desde quando seus pais se conheceram, como foram morar na casa funerária (que era do avô) e como ela saiu do armário para os pais. O pai dela morre logo depois que ela sai do armário e ela vai descobrindo muitas coisas dobre ele que ela não tinha idéia. (mesmo título em português)

- The Nickel Boys - Colson Whitehead - Nesse livro o Colson Whitehead conta a história de de um rapaz que por estar no lugar errado na hora errada foi parar numa escola que era também reformatório segregado na Florida. A história começa porque muitos anos depois um grupo descobriu corpos no terreno onde era a escola. É um livro curto (200 páginas), muito bem escrito, que tem muita informação sem precisar explicitar a violência. (em português é O Reformatório Nickel)

- Over The Top: A Raw Journey To Self-Love - Jonathan Van Ness - A autobiografia do cabeleireiro mais conhecido da Netflix. Eu conheço o Jonatthan desde Gay of Thrones e logo depois ele ficou famoso com o Queer Eye. No livro ele conta a infancia, adolescencia, seu vício em drogas (e outras coisas), relacionamentos, AIDS e como ele chegou onde está agora. Ele escreve como fala, então prepare-se para muitas referências pop e especialmente de paitnação no gelo e ginástica artística. O melhor é que ele subsitituiu o nome das pessoas por nomes russos.

- Me - Elton John - Sir Elton John é uma tia fofoqueira de primeira. Nessa autobiografia ele fala mais de sua vida pessoal e social do que suas múiscas, até porque o processo dele é simples: basicamente Bernie Taupin escreve as letras e Elton John coloca a música. Ele fala da sua infância, do relacionamento difícil com a mãe, adolescência e como começou no mundo da música. Ele conta várias fofocas dos amigos famosos e tudo que ele aprontou em todos os anos de carreira. Fala do vício em cocaína (que ele está sóbrio) e em compras (esse ele continua firme e forte). Achei ele sincero quando fala dos relacionamentos e como ele pode ser sufocante. No livro ele é sarcástico e irônico. Elton John é competitivo, ficava de olho nas listas de músicas e albuns para saber que estava em primeiro lugar. Mas ele adora fazer shows, não cansa de dizer que não importa o que está acontecendo fora dos palcos ele sempre consegue tocar para uma platéia.

- Why I'm No Longer Talking To White People About Race - Reni Eddo-Lodge - um livro sobre racismo no Reino Unido (e no mundo) que nasceu de um post escrito em 2014 com o mesmo título. No livro ela extende o que escreveu no post e conta a história dos negros (e pessoas de cor) no Reino Unido, explica o racismo estrutural, fala de feminismo e racismo, da mistura de raças e de raça e classe. Diria que é um livro didático. A arte da capa desse livro está de parabéns. (Já tem em português)



Outros Momentos TOC Livros: (1)(2), (3)(4), (5)(6), (7), (8), (9), (10), (11) e (12)

20.12.19

Star Wars: The Rise of Skywalker

E chegamos ao nono e último filme da saga Star Wars e dos Skywalkers.


Contei minha história com Star Wars quando escrevi sobre O Despertar da Força (o filme 7).

Lembro que na década de 1980 já tinha os rumores que George Lucas teria escrito essa história em 9 partes e os três primeiros filmes eram as 3 partes do meio. Mais de 15 anos se passaram depois do Retorno do Jedi e George Lucas lançou a três primeiras partes. Não agradou tanto os fãs mais antigos mas os mais novos se empolgaram. (Não gosto da estética dessa segunda leva de filmes, os diálgos são péssimos, mas Ewan McGregor salva. E sendo Star Wars é sempre divertido)

Aí George Lucas vendeu tudo para Disney (argh) que resolveu fazer as últimas 3 partes. O JJ Abrams veio e fez um reboot da série com o Despertar da Força (porque vamos combinar que é mais reboot do que continuação).

O Rian Johnson veio a seguir com Os Últimos Jedi e meio que deu continuação e meio que ignorou os acontecimentos anteriores e sugeriu um novo rumo. Foi um divisor de águas. Gosto desse filme (com exceção dos 20 minutos no cassino)

No meio tempo teve os filmes fora da história principal: Rogue One, que acho o melhor filme dessa leva nova, e Han Solo, que foi desnecessário mas é divertido.

Então vamos a conclusão dessa saga que segue há mais de 40 anos.

COM TODOS OS SPOILERS

No fim dos Últimos Jedi a Rey salvou o que restou dos rebeldes, que tinham mandado pedido de ajuda mas ninguém respondeu. Kylo Ren se tornou o poderoso chefão da New Order, Luke Skywalker morreu e a General Leia resistia.

Quando começa The Rise of Skywalker, Kylo Ren está matando um bando de gente por uma piramidezinha que tem informações de como chegar no Imperador Palpatine. Sim, ele ainda está vivo e se escondendo em algum planeta obscuro.

Kylo Ren chega lá e descobre que o Snoke era só um fantoche do Imperador (literalmente, inclusive tem uns fetos de Snoke sendo preservados num líquido) e que por tabela ele, Kylo Ren, também era um fantoche. O Imperador quer que Kylo Ren mate a Rey, mas menino Kylo é mais esperto.

Poe Dameron e Finn foram pegar uma informação vazada da New Order onde descobrem que quem está organizando todo o evento é o Imperador Palpatine. Acabam sendo perseguidos mas chegam bem na base rebelde.

Rey está completando treinamento sob o comando da General Leia (que depois descobrimos também treinou para sei Jedi com o Luke), e ela é poderosa.

Queria dizer que usaram muito bem as cenas não usadas que Carrie Fisher tinha feito para os outros filmes, encaixou direitinho nesse (ou encaixaram o resto do filme nas cenas que tinham).

Rey, Poe, Finn, Chewie, C3PO e BB8 se juntam para uma aventura no Burning Man (ou um Holi no deserto) para encontrar um mapa para chegar até o Imperador Palpatine. Lá eles encontram o Lando que virou hippie. Eles encontram a nave, encontram a adaga que tem informações onde encontrar o mapa e de quebra vão parar num ninho de cobra. A cobra está machucada e Rey a cura com a força (porque descobrimos via Baby Yoda, na série Mandalorian, que isso é possível).

Aí todos correm para a nave para fugir, Chewie vai fazer xixi e é preso. Rey vai enfrentar Kylo Ren numa cena sensacional. No meio da briga a Rey lança uns raios que explodem a nave onde o Chewie estava sendo levado. Por 5 minutos achamos que ele morreu, mas depois descobrimos que não, ele estava em outra nave.

O C3PO, que está maravilhoso nesse filme, disse que traduziu o que está na adaga mas não pode dizer porque é coisa do Dark Side e sua programação o impede. Aí a galerinha tem que ir atrás de um hacker para saber o que a mensagem na cabeça no C3PO significa. Poe Dameron (eu coração Oscar Isaac) os leva até um planeta onde ele conhece um pessoal (da época que ele era traficante) que pode resolver. E aí conhecemos o Babu Frik, melhor pessoa das galáxias.

obrigada JJ Abrams por todos esse
tempo de tela do Oscar Isaac

Problema resolvido, eles vão na nave mãe da New Order pegar o Chewie e lá a Rey descobre o quartinho de lembranças do Kylo Ren. Os dois fazem aquele negócio de Sense 8 e lutam com seus sabres de luz. Kylo quer que Rey se junte a ele para que os dois derrotem o Imperador, ele sabe que os dois juntos formam uma Díade da Força, mas ela não quer. Não sei como Rey resiste o Kylo quando ele tira aquele capacete.

Todas as cenas envolvendo KyRey ou ReyLo pra mim foram muito boas.



Rey and friends seguem para um planeta (ou lua de um plantea) onde tem restos da Estrela da Morte e é lá que tem o mapa. Rey vai até lá, acha o mapa e de quebra vê sua versão Dark Side. Kylo Ren chega e os dois começam a lutar outra vez (se transassem seria bem melhor par aliviar essa tensão sexual entre os dois) dessa vez com umas ondas gigantescas batendo na carcaça da Estrela da Morte. É lindo. Rey leva a melhor e enfia seu sabre em Kylo Ren, mas nesse momento os dois sentem a energia da Leia que está morrendo. Rey usa seu poder de cura salva Kylo e vai embora para ilha do Luke Skywalker onde ele aparece de fantasminha camarada e convence a Rey que ela precisa enfrentar seu avô, o Imperador Palpatine (isso mesmo, os pais da Rey no filme passado eram ninguém, mas nesse filme o pai dela é filho do Palpatine.).

Kylo Ren, que está mais para Ben Solo nesse momento, vê seu pai e os dois tem basicamente a mesma conversa que tiveram no Despertar da Força mas dessa vez Ben Solo enterra Kylo Ren. (o Adam Driver é excelente, deu a esse personagem todas as camadas).

Aí Poe Dameron agora é lider da resistência e decide seguir Rey até o Imperador e suas milhares de naves com canhões capazes de destruir planetas. Poe Dameron chega com sua pequena frota e começa atacar (eles querem inutilizar uma antena).

Enquanto isso Rey encontra o vovô Imperador Palpatine e ele que que ela o mate para poder ocupar o corpinho xóven dela. Ben Solo chega junto (depois de lutar com uns ex-amigos). Acontece que o Imperador é sabido e rouba a vida dos dois para rejuvenescer.

As naves da rebelião estão sendo destruídas mas aí, igual em Avengers, chega milhares de outras naves amigas para ajudar (o Lando que trouxe).

Ben Solo consegue se levantar mas é atirado longe. Rey se levanta e com a força de todos os jedi antes dela e 2 sabres de luz (do Luke e da Leia) derrota o Imperador mas morre. Ben Solo consegue sair do buraco e chega nela. Ele a ressuscita, dá um sorriso lindo, os dois se beijam (finalmente!) e morre.

As naves do Imperador são destruídas e todos voltam para o planeta floresta. Rey vai morar com BB8 em Tatooine na casa onde Luke morava quando adolescente e adota o nome Skywalker com a benção dos fantasminhas camaradas de Luke e Leia.

De resto:
- Aparece umas pessaos montadas em cavalos que eram stormtroopers e abandonaram a New Order igual ao Finn mas who cares nessa altura do campeonato.
- General Hux, coitado, era o espião e acabou morrendo.
- Finn diz que tem algo a dizer para Rey mas nunca sabemos o que é, e nem fiquei curiosa.
- A Rose foi quase que apagada do rolê, ficou trabalhando no escritório da resistência.
- R2D2 vai na batalha com o Poe Dameron e depois devolve a memória do C3PO.
- Tem um robô novo que parece um secador de cabelo e é muito bobo.
- Uma coisa reparrei no figurino da Rey: no Despertar da Força a roupa dela é um misto de branco com cinza, no Ultimos Jedi ela está de cinza escuro e nesse a roupa é branca. Achei um indicativo de onde ela se encontra nos lados da força.

dessa vez C3PO foi estrela


Resumindo: é um filme divertido, tem partes boas, cenas bonitas, Rey Girl Power, Oscar Isaac sempre vale a pena, o Adam Driver está de parabéns, os droids são os melhores.

O filme é um pouco atrapalhado, exagerado e explicativo demais. Pelo jeito o JJ Abrams (ou a Disney) não gostou do que o Rian Johnson fez e resolveram usar o modo nostálgico default.

Mas é Star Wars e mesmo quando é não dos melhores ainda é divertido.

A Tia Helô ficaria aliviada dessa saga chegar ao fim e que Kylo Ren birrento no fim virou bom menino. 614 "Ai, Jesus!" os Stormtroopers agora voam!

E para quem quiser saber, minha ordem dos filmes Star Wars: Império Contra-Ataca > Uma Nova Esperança > Retorno do Jedi > Rogue One > Despertar da Força > Ultimos Jedi > Rise of Skywalker > Han Solo >Vingança dos Sith > Ataque dos Clones > Ameaça Fantasma.

23.11.19

+ Filmes

Dois filmes que refletem bem aquela expressão "medição de beringela".

O Irlandês

Filme do Martin Scorsese com Robert DeNiro, Al Pacino, Joe Pesci e todos os outros atroes que já participaram em filmes de máfia.


E sim, é um filme de mafiosos. Baseado num livro chamado I heard you paint houses (não li).

Bobby DeNiro faz um irlandês, Frank Sheeran, adotado pela mafia italo-americana para fazer "serviços". Frank é um cara que lutou na guerra, depois foi dirigir caminhões, passou a fazer trambiques e assim foi parar nas asas do Russell Bufalino (Joe Pesci). Frank é um cara calado, introspectivo e fiel.

Russell Bufolino é calmo mas todo mundo tem medo dele porque ele faz as coisas acontecerem. Joe Pesci saiu da aposentadoria para fazer esse papel e está incrível. É um personagem muito diferente dos outros tipos mafiosos histéricos dele.

O Al Pacino faz o Jimmy Hoffa, sindicalista americano que foi brincar com a máfia e desapareceu.

É um filme sobre mafiosos envelhecendo.

São mais de 3 horas de filme, mas passa rápido e em nenhum momento é cansativo. É muito bem feito, os efeitos para deixar os atores mais jovens funcionam muito bem. A única coisa que me incomodou foram as lentes azuis nos olhos do DeNiro, ficou bizarro.

É um clube do bolinha. A única personagem feminina que faz algo nesse filme é a filha do Frank que serve como uma crítica silenciosa ao estilo de vida dele e de quem ele escolheu ser fiel.

É um filme de silêncios e isso achei muito interessante mas aqueles diálogos sem objetividade dos mafiosos me cansam.

Gostei do filme, dificilmente um filme do Martin Scorsese vai ser ruim, ele é um mestre, ainda mais sobre máfia e com um elenco desses. Mas não entra no meu top 5 filmes do Martin Scorsese. Pronto, falei.

A Tia Helô gostaria de ver Robert DeNiro mais novo outra vez. 621 "Ai, Jesus" para os gritos do Al Pacino.


Ford vs Ferrari

Homens e suas máquinas. Nos anos 1960 (e antes) a Ferrari era campeã absoluta das pistas de Le Mans, uma corrida que os carros ficam dando voltas na pista por 24 horas.



Aí, a Ford, que durante a guerra se fez com produtos bélicos, precisava dar um up na sua produção. O Lee Iacocca (que fez sucesso com sua autobiografia anos depois) teve a idéia de produzir um carro de corrida para competir com a Ferrari para alavancar a imagem da empresa para os jovens. Afinal, os jovens não queriam os mesmos carros que seus pais.

Entra em cena o ex-piloto Carroll Shelby, que se tornou um designer de carros esportivos. Ele chamou o Ken Miles, que era um piloto e mecânico de carros experiente, para ajudar nessa empreitada. Acontece que Ken Miles era um britânico que fazia as coisas do jeito dele e aí batia de frente com o estilo da Ford.

Na verdade esse filme deveria se chamar Ford x Ken Miles porque o Ferrari aparece muito pouco e só para a gente se divertir com os italianos. Seria bom um filme com o lado dos italianos.

As cenas de corrida são bem feitas, Christian Bale está incrível como Ken Miles e Matt Damon tem os melhores óculos escuros do cinema nesse ano.

É um filme divertido, a cena do Henry Ford II no carro com o Shelby é ótima.

Para ver no IMAX.

A Tia Helô iria gostar do filho fofo do Ken Miles. 421 "Ai, Jesus!" para cada derrapada na curva.