31.5.19

Haia

Haia em holandês é Den Haag, e se pronuncia Den Rarrr. É o centro político da Holanda e onde mora a família real.

Cheguei em Amsterdam no dia de greve do transporte público, então nada de trens para Rotterdam, onde eu ia ficar. Fui atrás de informação e uma senhora me disse que poderia ir de ônibus de uma empresa chamada flixbus, mas que só vendiam online. Ok, consegui lugar no ônibus (ainda bem ou teria que pagar o equivalente a uma noite de hotel no uber ou taxi) que antes de chegar a Rotterdam parava em Haia.


O ônibus deu uma boa volta pela cidade e eu só vi prédios altos, modernos, muito vidro espelhado.


No último dia na Holanda fez 30 graus e decidi ver o que Haia tinha além dos prédios modernos. E tem bastante coisa, inclusive uma praia conhecida.

palacio real

A praia não fui, mas andei pelo centro antigo, pela rua do palácio real que também é uma rua de compras, fui num parque que tinha uma feira de comidas e fui a dois museus.


Um dos museus que fui foi o Mauritshuis, a casa do Maurício de Nassau. Sim, o mesmo Maurício de Nassau que foi governador do Brasil na ocupação holandesa no nordeste.


A casa dele não é grande mas é de frente para o lago e um museu com obras importantes. Lá estão: A Moça Com Brinco de Pérola, do Vermeer, e A Aula de Anatomia do Rembrandt.

esse quadro é maravilhoso
delft por vermeer

Aliás, do Rembrandt tinha várias obras porque tinha uma exposição dos 350 anos da morte dele.

Saí do Mauritshuis e fui para o museu do Escher.


Maurits Escher foi um designer gráfico holandês com obras que até hoje deixam as pessoas tentando entender como ele fez aquilo. O trabalho com espaço e perspectiva é impressionante.

interativa com escher

As obras dele ficam num palácio que foi a residência de inverno da Rainha Emma, então além das obras do Escher ainda tem os ambientes do palácio. É um museu 2 em 1.


Depois dos museus andei mais pela cidade e aproveitei o calor para tomar sorvete. Claro.


30.5.19

Utrecht e Gouda

Cheguei em Utrecht achando que seria pequena como Delft, mas não, é bem maior. Começando pela estação de trem e o shopping enorme que fica na frente da estação.


Mas assim que você passa pelas construções novas (e interessantes) e chega nos canais o charme da cidade aparece.


Os canais de Utrecht são diferentes dos canais do resto das cidades da Holanda, eles estão muito abaixo do nível das ruas. Tanto que tem escadas para descer e tem bares e restaurantes que colocam mesas ali embaixo.


Fui num sábado e tinha uma feira de flores e era dia da parada pride LGBTQ+ da cidade. Então tinha muitas pessoas nas ruas e canais.


Dei uma volta pela cidade e decidi subir a torre da igreja. A torre é a mais alta da Holanda e tem uma boa vista lá de cima já que o país é todo plano.


A curiosidade dessa torre é que ela é separada da igreja por causa de um tornado que aconteceu em 1610 e destruiu parte da nave. Desde então igreja e torre ficam separadas por uma praça.

lá no horizonte é amsterdam
Dentro da torre tem vários sinos, que inclusive alguns muito antigos que sobreviveram a segunda guerra mundial e não foram derretidos para virar material bélico.


Fora a torre, Utrecht tem a casa museu da Miffy, uma coelha, personagem infantil criada pelo holandês Dick Bruna, e tem a Rietvelt Schröderhuis que é uma casa de 1924 construida no estilo De Stijl.

pessoas esperando a parada

Gostaria de ter visto a casa estilo De Stijl, mas a Pride Parade começou e como era nos canais com barcos coloridos passando achei mais animado. Os barcos vinham cheios de gente e tocando música animando uma rua lotada de pessoas olhando os canais.




Depois de ver a parada por um bom tempo e, com dias longos, voltei a estação de trem e fui para Gouda.

prédio na praça central de gouda

Gouda em holândes se pronuncia RRRRouda.

canais de gouda

Gouda é uma cidade pequena, com uma praça central até grande. Estava tendo uma feira de comida e que lugar melhor para comprar um queijo? Acontece que comprar queijo em Gouda não é tão simples, são muitos tipos e em diferentes fases da maturação. Fui no uni duni tê e peguei um pedaço que comi em dois dias de tão bom.

queijo gouda em gouda


28.5.19

Kinderdijk e Delft

Perto de Rotterdam tem o Kinderdijk que é um parque de moinhos antigos. É uma avenida de moinhos do século 18 ao longo de um canal, moinhos que foram instalados para evitar a inundação das plantações cada vez que o rio subia.


De Rotterdam para lá é 30 minutos no waterbus. Chegando lá aluguei uma bicicleta e foi uma pedalada muito agradável. É muito bucólico.

no waterbus. as pessoas levas suas bikes



Depois de pedalar uma hora peguei o waterbus de volta e entrei num trem para Delft.


Delft é quase suburbio de Rotterdam de tão perto, 15 minutos no trem.



A cidade é fofa e linda. É uma mini Amsterdam. Delft é conhecida por três coisas: é a cidade onde o pintor Johannes Vermeer morou a vida inteira, a porcelana azul e branca e tem a igreja onde ficam enterrados os membros da familia real holandesa.


É cheia de bares, restaurantes, lojas fofas e ruas com canais.


Tem uma casa museu do Vermeer, mas o quadro mais famoso dele, "A moça com o brinco de pérola", não está lá, está em Haia, na casa do Maurício de Nassau (que visitei mas fica para um próximo post).

Lojas com a porcelana famosa e lojas de queijo não faltam.

até a torneira do banheiro é
na porcelana branca e azul

A igreja nova, Nieuwe Kerk, (de 1396) tem uma torre imponente que pode ser vista de quase toda cidade e fica na praça central, e é lá que são enterrados os membros da família real desde 1500. Essa igreja tem um teto de madeira lindo.


A igreja velha, Oude Kerk, é de 1246 e fica na ponta de um canal. O Vermeer está enterrado lá.


Delft é ótima para andar pelas ruazinhas e fazer people watching. E comer uma panqueca holandesa.

coração azul de delft



27.5.19

Rotterdam

Aproveitando o vôo que sai de Fortaleza direto para Amsterdam decidi conhecer a Holanda um pouco melhor.



Da última vez que estive lá, na era pré-blog, fiquei em Amsterdam e ainda pedalei para os moinhos nos arredores da cidade.

Dessa vez decidi ficar em Rotterdam porque: 1) não conhecia a cidade e 2) é mais perto de todos os outros lugares que queria ir.

Fui a Amsterdam passar o dia e encontrar e conhecer pessolamente a Aline, amizade dos tempos do Snapchat. Nós andamos pelo Jordaan e seus canais bacanas e foi um dia muito agradável. Amsterdam é uma cidade charmosa e num dia de sol com temperaturas agradáveis fica melhor ainda. A Aline mostra bem a cidade no instagram dela e no canal do youtube.


Voltando a Rotterdam. A cidade foi completamente destruída na segunda guerra, virou um monte de entulho gigantesco, então as construções da cidade são quase todas modernas a partir da segunda metade da década de 1940. Poucas coisas sobreviveram a guerra.

igreja sobrevivente
prédio da linha de navios que fazia
holanda-NYC que sobreviveu a guerra

E é uma cidade onde você vê o estilo eficiente, porém caixote, das casas erguidas no fim dos anos 1940 e 1950, que lembram o que estava ali antes mas com linhas mais quadradas. Tem também o estilo concreto dos anos 1960 e a experimentação dos anos 1970 (casas cubo). Tem os prédios pesados dos anos 1980, a transição dos anos 1990 e a modernidade dos anos 2000.

igreja?

E incrivelmente tudo combina e se acerta. Não é uma cidade grande e é muito agradável. Tem parques bonitos, um beira rio bacana, museus ótimos, e tem até uma rua do agito.

papai noel safadinho

As Casas Cubo valem a visita, inclusive pode entrar dentro de uma delas e se quiser ficar lá tem um albergue.


O Markthal é incrível. É mercado e prédio residencial ao mesmo tempo. Dentro tem uma pintura no teto linda e várias barracas de comidas e restaurantes. No subsolo tem um supermercado.

 

Outro mercado de comida bacana é o Fenix Food Factory.


A ponte Erasmus é estaiada AND basculante. Ainda bem que foi construída depois que terminei engenharia porque se caísse na prova da matéria de pontes não sei se saberia calcular.


Os prédios do outro lado do rio parecem legos montados.


Não subi na Euromast, a torre que se destaca na paisagem, mas está lá para quem quer ver tudo de cima.


Dos museus só fui no Kunsthal que é de arte moderna, mas todo mundo indica o Boijmans.

A rua do agito é a Witte de Withstraat. Tem vários bares e restaurantes com mesas nas calçadas e os holandeses ficam ali fazendo people watching.

Tem toda uma área de compras na Van Oldenbarneveltstraat que vai até um shopping abaixo do nivel da rua na Beursplein.

A estação central de Rotterdam é linda. Por fora é um dos cartões postais da cidade, e por dentro é enorme.


Perto dela fica a Luchtsingel, uma passarela construída com dinheiro de um financiamento coletivo que a população precisava para ligar duas partes da cidade separadas pela linha do trem num ponto mais prático para todos.

por dentro tem essa cor amarela e
 os nomes dos contribuintes

por fora a passarela é assim


E assim é Rotterdam, não tem o charme dos canais com casas típicas de Amsterdam, mas é uma cidade onde seus habitantes aceitam novidades e que depois de uma destruição conseguiu criar uma nova identidade.