26.4.13

Oblivion

Antes de começar esse filme passou o trailer do Homem de Ferro 3 e sempre fico triste quando vejo aquela casa maravilhosa do Tony Stark sendo destruída. Não me conformo.

Acontece que quando Oblivion começa o Tom Cruise acorda na sua casa fantástica, que me fez esquecer a casa do Tony Stark. É um ambiente extremamente minimalista, claro, linhas retas com curvas precisas, uma paleta de cores belíssima, tudo no lugar certo. Só não gosto muito dos nichos estilo anos 1970 onde o sofá e mesa ficam num nível abaixo do piso, mas moraria facilmente nessa casa, ainda mais com aquela piscina na entrada.

Comecei falando da casa porque Oblivion é um filme sobre estética e design, inclusive o fato do Tom Cruise ser o protagonista do filme, poucos atores ficam tão bonitos na tela do cinema (a camera realmente ama o Tom Cruise, mesmo não sendo simétrico.). Os planos filmados são incríveis, prendem a atenção, as máquinas/armas tem linhas agradáveis e até a lua destruída ficou bonita. A outra casa do filme (spoiler?) também é linda, tudo muito bem encaixado num cenário inusitado no meio de tanta destruição. Depois descobri que o filme foi dirigido e escrito pelo Joseph Kosinski, que dirigiu Tron Legacy, outro filme visualmente incrível. Kosinski é formado em arquitetura, faz sentido.

Ok, é um filme de ficção científica, e a história se resume a um mix de vários outros filmes do gênero. Garanto que há uma identificação com algum dos filmes a seguir: Blade Runner, The Matrix, Planeta dos Macacos, Star Wars, Inception, Mad Max, Wall-E, 2001 e, fora do eixo ficção científica, Um Corpo que Cai e Tarde Demais Para Esquecer.

Claro que muitos filmes e livros não tem tramas originais e são baseados em outras histórias, mas no caso de Oblivion a sensação de colcha de retalhos é grande. Se a intenção era homenagear esses outros filmes pelo menos foi embrulhada com uma aparência bonita. (Se você não viu nenhum dos filmes acima, Oblivion será ótimo.)

O Morgan Freeman faz um Morpheus super cool (aqueles óculos dele são demais), o Jaime Lannister deixou a guerra do trono de ferro e foi ser bonito no mundo pós-apocalíptico e a Olga Kurylenko é linda.

Eu gostei, parecia que estava folheando uma revista de decoração e viagem, já a Tia Helô que não entendia nada de ficção científica e nem devia apreciar um bom design diria 137 "Ai, Jesus!" todos para o Tom Cruise.


24.4.13

Analisando a música: Can't Hold Us (Macklemore & Ryan Lewis)

Hoje é aniversário do Ney e é para ele o analisando a música. Apenas.


Uns dias atrás, no Whatsapp, o Ney disse que não conseguia parar de escutar Macklemore & Ryan Lewis, uma dupla de hip hop que eu só descobri recentemente lendo um post do Luiz.

Confesso que não sei a diferença entre Rap e Hip Hop, as vezes acho que um é mais leve que o outro, ou tem mais ritmo, um fala mais palavrão, acho que ambos fazem fortes críticas sociais, só sei que tem que rimar e ter muitas referências, mas acho tudo igual. Isso não quer dizer que não gosto, não é o meu gênero musical preferido, não conheço bem, mas gosto de várias músicas e artistas: Eminem, Azealia Banks, Nicki Minaj, Jay Z, Kanye Imma Let You Finish West, etc (se bem que criaram um tal de Urban Contemporary para esses dois últimos).

Quando estive em Seattle, em 2009, meu amigo disse que a cena do grunge tinha acabado (há alguns anos) e que na época a maioria os bares eram lugares de hip hop. Quem diria que a capital do grunge também produziria hip hop? Pois é, Macklemore (que se chama Ben Haggerty) e Ryan Lewis são de Seattle. Ryan Lewis começou como fotografo e depois de juntou ao Macklemore, que já cantava (rappeava?), para fazer música.

Em 2012 lançaram seu primeiro album, The Heist, que tem a música analisada da vez, Can't Hold Us, um hit instantâneo.

Como nada, nem ninguém, segura o Ney vou tentar analisar essa música.

Return of the Mac, get 'em
What it is, what it does
What it is, what it isn't
Looking for a better way to get up out of bed
Instead of getting on the internet and checking out who hit me, get up
Thrift shop, pimp strut walking
Little bit of humble, little bit of cautious
Somewhere between like Rocky and Crosby
Sweater game nope nope y'all can't copy
Yup. Bad, moonwalking
This here is our party
My posse's been on Broadway
And we did it our way
Throne music
I shed my skin and put my bones into everything I record to it
And yet I'm on
Let that stage light go and shine on down
Got that Bob Barker suit game and plinko in my style
Money, stay on my craft and sick around for those pounds
But, I do that to pass the torch and put on for my town
Trust me. On my I-N-D-E-P-E-N-D-E-N-T shit hustlin'
Chasing dreams since I was 14 with the four track bussing
Halfway cross that city with the backpack
Fat cat, crushing labels out here
Nah, they can't tell me nothing
We give that to the people
Spread it across the country
Labels out here
Nah, they can't tell me nothing
We give it to the people
Spread it across the country

Pelo que li na internet o Macklemore teve problemas com drogas, ficou sobrio, e, justamente com esse album, está de volta. Acho que essa música é um pouco da história dele.
Ele já começa a música perguntando o que está rolando, mas quem se importa? Tem que achar uma maneira melhor do que levantar da cama do que acordar já olhar nas redes sociais para ver que cutucou. (Ney, estou começando achar que essa música tem tudo a ver com você)
Vai no brechó, anda com atitude (de cafetão), mas com um pouco de humildade e cuidado. (Thrift Shop é também outro sucesso da dupla) Num estilo que mistura a determinação do Rocky Balboa e o humor do Bill Crosby (que mix hein?). Ou veste um sweater mesmo. (Importante é ter o tênis certo, né Ney?)
Aí temos referências a Michael Jackson (Bad, moonwalking), e ele diz que a festa é nossa. Yeah! A turma/galera/gangue dele esteve na Broadway (que é uma avenida no bairro alternativo de Capitol Hill em Seattle, mas várias cidades americanas tem uma Broadway, até Canoa Quebrada tem uma). E, numa possível alusão ao Frank Sinatra, fizeram do jeito deles.
Pelo o que entendi, os dois fizeram tudo independente de gravadoras, correram atrás do sucesso, faziam um pouco de tudo pela música, e tudo na própria cidade, sem ter que se deslocar para Los Angeles ou New York, onde o cenário do hip hop/rap deve ser maior. Seattle é boa para seus músicos.
Ele diz que persegue os sonhos desde os 14 anos, atravessava a cidade no busão com um gravador (four track) na mochila. Não quer ser marionete de grandes gravadoras e vai ser autônomo promover sua música, dar a música para as pessoas, atravessando o país. (Can't Tell Me Nothing é uma música do Kanye West)
Dito isso, Bob Barker foi o apresentador do the Price is Right e devia usar uns ternos bem curiosos.

Here we go back, this is the moment
Tonight is the night, we'll fight till it's over
So we put our hand up like the ceiling can't hold us
Like the ceiling can't hold us

Quem canta essa parte da música é o Ray Dalton que com a voz macia e no ritmo mais balançado faz um ótimo contratempo ao rap veloz do Macklemore. E esse é o momento que a galera se junta levanta os braços como se o teto não pudesse os segurar. Catarse.

Now can I kick it? Thank you
Yeah I'm so damn grateful
I grew up, really wanted gold fronts
But that's what you get when Wu-Tang raised you
Y'all can't stop me
Go hard like I got an 808 in my heart beat
And I'm eating at the beat like you gave little speed to a great white shark on shark week
Raw. Time to go off. I'm gone!
Deuces goodbye. I got a world to see, and my girl she wanna see Rome
Caeser will make you a believer. 
Nah, I never ever did it for a throne
That validation comes from giving it back to the people
Nah, sing a song and it goes like
Raise those hands, this is our party
We came here to live life like nobody was watching
I got my city right behind me, if I fall, they got me
Learn from that failure, gain humility and the we keep marching ourselves

"Posso mandar a real? Obrigado." Ele é agradecido por tudo, pelos fãs e conta que cresceu e que queria gold fronts - aqueles aparelhos dourados de dente - e explica que é isso que dá ser criado pelo Wu-Tang (um grupo de Rap/Hip Hop de NY famoso nos anso 1990 que ele provavelmente escutava muito). O Macklemore é um cara animado, e diz logo que ninguém o para, que o coração dele bate forte como um 808 - uma bateria eletrônica.
Ele faz o rap tão rápido que come o ritmo como se tivesse dado mais um pouco de velocidade a um tubarão branco na Shark Week - programação sobe tubarões no Discovery. (Tenho certeza que dessa parte da música o Ney não gosta nem um pouco, xô tubarões!)
"Fui! Tenho um mundo para ver e minha namorada que ir a Roma." (essa parte da música o Ney aprova com estrelas de ouro). Devoto de Cesar, que venceu na vida e chegou a imperador. Ele nunca fez nada pelo trono, não quer ser rei, que a única comprovação que ele precisa vem de retornar/devolver as pessoas. Então vamos cantar, levantar as mãos, essa é nossa festa e vamos viver como se ninguém estivesse olhando (ou seja, pagar mico a vontade). E ele volta a falar da sua cidade (e fãs) que independente do que acontecer vai apoiá-lo. A dica do Macklemore é aprender com os erros e bola para frente!

Here we go back, this is the moment
Tonight is the night, we'll fight till it's over
So we put our hand up like the ceiling can't hold us
Like the ceiling can't hold us

E vamos levantar o teto!

Na na na na na na na
And all my people say

Na na na na na na na
Feliz aniversário Ney!
\o/\o/\o/\o/\o/

O video da música foi criado pela dupla junto com os amigos, foi dirigido pelo Ryan Lewis e filmado por vários lugares em 3 meses. Tem camelo. Tem canguru. Tem até navio pirata. Gosto das cenas no Alaska (ou talvez Nova Zelândia?) e em Seattle.



No fim do video eles colocaram um pouco a mais na letra:
Let the night come
Before the fight's won
Some might run against the test
But those that triumph
Embrace the fight 'cause
The fear is there to prove courage exists
Hope

21.4.13

Ney e as coxinhas

O Ney estava voltando de Recife para Fortaleza e, antes de iniciar o road trip de fato, parou com a amiga (que permanecerá anônima por motivos de: gosta muito de coxinhas) no Rei das Coxinhas para um lanche.

Comeram. Comeram muito. Comeram o suficiente para a pança não reclamar pelo menos até Mossoró.

Antes de sair a amiga do Ney descobriu que, além das coxinhas grandes, também tinha mini coxinhas e deu a idéia de levar para comer no caminho. O Ney achou ótimo e até pensou "ahhh, que delícia beliscar no meio da estrada.". Compraram um pacote de mini coxinhas e foram para o carro. O Ney estava colocando o cinto de segurança quando olhou para o lado e a amiga estava enfiando algumas mini coxinhas na boca.

"É que não gosto de coxinha fria." (com a boca cheia, óbvio)


As coxinhas acabaram antes de saírem do estacionamento.

17.4.13

Book Report: O Museu da Inocência - Orhan Pamuk


Esse livro foi indicado pela Marcie no grupo de leitura do FB. Confesso que nunca tinha ouvido falar do escritor turco Orhan Pamuk mas até um Prêmio Nobel de literatura ele já tem. Como gosto de ler autores que não conheço na última ida à livraria vi que dele tinha Neve, Istambul - Memória e Cidade, e O Museu da Inocência. Peguei O Museu da Inocência, pela indicação da Marcie e porque achei a capa mais legal (sim, sou dessas).

Um livro é muito bem escrito quando: 1) é traduzido por outra língua que não a original e a leitura flui lindamente (nesse caso do turco para o inglês e depois para o português), palmas também para os tradutores; e 2) a história central me irritou várias vezes, mas as descrições secundárias e observações mantiveram meu interesse. Odiei o protagonista e sua obsessão amorosa irritante até os capítulos finais, mesmo entendendo suas atitudes levadas pela paixão/obsessão (no caso dele é uma linha muito tênue), mas, no fim, numa espécie de redenção, tive um pouco de pena dela e compaixão por dele.

É um livro de 500 páginas e em nenhum momento tedioso (as vezes incômodo, mas isso é devido o protagonista stalker). Orhan Pamuk sabe contar uma história. O livro é extremamente melancólico, nostálgico, é sobre amor, sofrimento por amor, paixão, obsessão (muita) e, especialmente, sobre memória. As coisas que lembramos, como lembramos e a sensação que o tempo para em alguns momentos.
"Esse domínio ambíguo no limiar entre o sentido e o imaginado."
Kemal, o protagonista, tem a mania de pegar objetos que lembram sua amada, Füsun, desde um brinco até prendedores de cabelo, bibelôs da casa dela, várias gimbas de cigarros que ela fumou e assim ele vai montando uma coleção que mais tarde vem a ser o tal Museu da Inocência. A narrativa é como um passeio guiado por esse museu e seus objetos.
"Era o momento mais feliz da minha vida, mas eu não sabia. Se soubesse, se tivesse dado o devido valor a esta dádiva, tudo teria acontecido de outra maneira? Sim, se eu tivesse reconhecido aquele momento de felicidade perfeita, teria agarrado com força e nunca deixaria que me escapasse. Levou alguns segundos, talvez, para aquele estado luminoso tomar conta de mim, mergulhando-me na paz mais profunda, mas ele me pareceu ter durado horas, até mesmo anos. Naquele momento, na tarde de segunda-feira, 26 de maio de 1975, em torno de quinze para as três, assim como nos sentíamos além do pecado e da culpa, o mundo todo parecia ter sido liberado da gravidade e do tempo."
Ao ler a história de Kemal e Füsun (que as vezes chega perto do bizarro) passeamos por uma Istambul que muda aos olhos do protagonista e conhecemos a cultura turca da época (se passa principalmente no meio dos anos 1970), os hábitos da sociedade, de como os jovens ricos queriam ser "modernos como os europeus", a censura do cinema, as bebidas típicas, as comidas (ai, baklavas!), a fofoca turca, e muitas outras coisas interessantes. Dá vontade de ir a cidade para ver os vários lugares que ele descreve no livro.

Apesar de não gostar muito do Kemal, gostei de algumas personagens femininas do livro, até da Füsun em alguns momentos. São mulheres fortes, que mesmo numa sociedade de rigores machistas onde são tratadas como objetos conseguem driblar conceitos e se impor.

O livro também é uma forma de entender a cabeça de um colecionador e como vários museus menores são formados pelo mundo. O Orhan Pamuk construiu mesmo o Museu da Inocência em Istambul com objetos da época contada no livro e mais recentes. É um museu da vida diária dos habitantes da cidade. No livro, inclusive, tem um ingresso para ser carimbado na entrada do museu. Vou guardar o meu, quem sabe um dia volto a Istambul.

13.4.13

Analisando a música: In Hiding (Pearl Jam)

Demorou para o Pearl Jam aparecer aqui no analisando a música, mas depois de ver o show deles (pela tv) no Lollapalooza não resisti.

Os anos 1980 foram recheados do rock farofa, aquele com bandas que mantinham um visual anos 1970 reloaded e um som quase metal, mas com músicas boas e pegajosas. Bandas como: Van Halen, Poison, Bon Jovi, Skid Row e, vai, Guns n' Roses. Muitos cabelos altos em camadas com luzes e laquê, calças apertadas, olhos maquiados e animal print.

No fim da década, em 1989, uma revolução musical começou acontecer em Seattle, as bandas de garagem começaram a ganhar espaço. Assim nascia o grunge. Roqueiros com visual simples (sujinhos, alguns diriam), ainda cabeludos (só no shampoo e olhe lá), com suas camisas de flanela xadrez e botinas, sem grandes parafernalhas no palco, rock cru, pesado e melódico, para balançar a cabeça com vontade. As letras um pouco deprimentes, mas faz parte do grunge. Bandas como: Mad Season, Mudhoney, Soundgarden, Alice in Chains, Mother Love Bone, Stone Temple Pilots, Temple of The Dog, Nirvana e Pearl Jam.

Todo um gênero novo de música borbulhando na bonita Seattle. O rock estava mudando, mas só foi percebido depois que lançaram, em 1991, o Nevermind do Nirvana e o Ten do Pearl Jam. Abracei o grunge com vontade.

O Pearl Jam foi formado em 1990 quando o Stone Grossard, guitarrista, junto com Jeff Ament (baixo) e Mike McCready (guitarra) gravaram uma demo com 5 músicas e pediram para o amigo Jack Irons (na época do RHCP) passar a  frente que eles precisavam de um vocalista. Eddie Vedder, que morava em San Diego, recebeu a fita compôs a letra e gravou na música da demo que viria a ser Alive. Assim nasceu o Ten, primeiro album da banda, que além de Alive tem a polêmica Jeremy, a ótima Even Flow e a corta-os-punhos Black. De lá para cá a banda tem mais 8 albuns: Vs (Daughter, Animal), Vitology (Spin the Black Circle, Better Man, Nothingman) , No Code (Hail Hail, Who You Are), Yield, Binaural (Light Years e a linda Thin Air), Riot Act (I Am Mine, Thumbing My Way), Pearl Jam (Life Wasted, World Wide Suicide, Army Reserve), o último Backspacer, e inúmeros albuns e DVDs de shows que fazem pelo mundo. A banda está na trilha sonora de vários filmes, compuseram a bonita Man of The Hour para Big Fish (Tim Burton) e State of Love And Trust para Singles do Cameron Crowe. O ótimo documentário Pearl Jam Twenty dirigido pelo Cameron Crowe lançado em 2011 conta os 20 anos de história da banda.

O Pearl Jam é uma banda engajada, comprou uma briga com a Ticketmaster, abraçam as causas do meio ambiente, casamento gay, e outras. Em 2000, na Dinamarca, 9 pessoas morreram esmagadas na frente do palco durante um show deles e desde então não tem uma vez que o Eddie Vedder não pergunte ao público se estão seguros.

O show deles no Rio em 2005 (com abertura do Mudhoney) foi um dos, se não o melhor que já fui. Ninguém sai de um show do Pearl Jam impune, é uma catarse coletiva. Todos cantam todas as músicas e eles não precisam de um palco sofisticado para fazer um público enorme se sentir numa garagem com os amigos. A set list nunca é a mesma, eles fazem alguns covers ótimos (Ramones, The Who), e os quarentões tem energia de sobra.

Eddie Vedder foi uma escolha acertada para vocalista da banda. Ele tem uma voz incrível (é mel para os meus ouvidos), é bonito (apesar de relutante com essa característica) e é carismático, um frontman como poucos. E o Eddie Vedder é surfista (e amigo do Kelly Slater). Ele tem uma carreira solo de sucesso, compôs a belíssima trilha sonora de Into The Wild, mas a banda continua firme e forte. Confesso que em muitas músicas não entendo nada da letra quando ele canta (Yellow Ledbetter é uma), mas a-do-ro.

Há quem ache o Pearl Jam a banda mais pasteurizada do grunge, talvez porque chegou ao mainstream e permaneceu, talvez porque tem o som menos pesado ou talvez porque seus integrantes tomavam banho com mais frequencia. Eu gosto de todas as bandas do grunge, muito amor pelo Nirvana (que obviamente terá um post), mas a voz do Eddie Vedder me pega de jeito. Sou fã.

Difícil foi escolher a primeira música para analisar (certamente outras virão). Já mencionei Black (músicas de fossa) e Thin Air (love songs) aqui no blog, então recorri ao querido iPod. Ia fazer um uni-duni-tê, mas fui na que tocou mais vezes.

In Hiding é do album Yield, de 1998, que também tem Wishlist, Given To Fly, MFC, e Do The Evolution (baby). Gosto muito dessa música, tem tudo: a voz maravilhosa do Eddie Vedder em vários tons (do mais grave ao aberto), um riff preciso e baixo marcante, bateria suficiente para mexer os braços.

Dizem que In Hiding é sobre o, escritor e poeta, Charles Bukowski, que passava dias trancado sozinho numa espécie de autoanálise junto com um jejum de outras pessoas. Claro que o pessoal da teoria da conspiração acha que é sobre drogas.

Vamos analisar.

I shut and locked the front door
No way in or out
I turned and walked the hallway
Pulled the curtains down
I knelt and emptied the mouth of every club around
But nothing's sound
Nothing's sound

Nunca li Bukowski então não posso opinar se a música é sobre ele, ou alguma referência a um trabalho dele, mas pelo começo da música acho que caminhamos para um momento introspectivo. As letras que o Eddie Vedder faz para as melodia do Stone Grossard sempre tem algum tom pessoal, não duvido que ele ou a banda estivessem passando por algum momento que precisassem desse recolhimento reflexivo.
Trancou a porta da frente, não tem entrada nem saída, baixou as cortinas, se ajoelhou e isolou os sons dos lugares (bares) vizinhos. O som do nada. Silêncio total.

I'd stay by my last tab left me
Ignored all my rounds
Soon I was seeing visions and cracks along the walls
They were upside down

Aí ele começa perder o controle, ignorar o que está ao redor, ter alucinações, ver rachaduras nas paredes (que pode ser na mente dele), que estavam de cabeça para baixo. É amigos, dias sem interagir com ninguém pode fazer isso com você. E a falta de remedinhos também. (timbre baixo da voz do Eddie Vedder quando ele quase geme 'They were upside down' é uma loucura. Ui ui ui. Suei.)

I swallow my words to keep from lying
I swallow my face just to keep from biting
I swallowed my breath and went deep, I was diving, diving.
I surfaced and all of my pen wasn't writing
Now I'm in...

Essa primeira frase é linda: Engulo as palavras para não mentir. Já a segunda...."I swallow my face justo to keep from biting" é estranha, engolir o rosto para não morder, sempre acho que ele canta "I swallow my fist just to keep from fighting" (engolir o punho cerrado para não brigar), que faz mias sentido, mas a letra no site oficial diz que é o rosto mesmo que ele engole. Ok, então, o perigo dele se morder é maior. Aí ele segura a respiração e mergulha. Fundo. E quando veio a superfície a caneta não escrevia, a inspiração não veio. E agora...

I'm in hiding. I'm in hiding.

Está escondido e se escondendo. Refugiado dentro de si. Oculto. (É curioso que justamente nessa parte da música ele quase que grita, ou quer chamar atenção para o fato que está escondido, ou não quer muito se esconder)

It's been about three days now 
Since I've been aground
No longer overwhelmed and it seems so simple now
It's funny when things change so much
It's all state of mind

Depois de três dias encalhado, submerso nos pensamentos, ele já não está se sentido esmagado, dominado pelos sentimentos que o angustiavam. Com as idéias claras tudo parece simples. Oh, really? Como é curioso que as coisas podem mudar tanto, é tudo um estado de espírito. Filosofou.

I swallowed my words to keep from lying
I swallowed my face just to keep from biting
I swallowed my breath and went deep, I was diving, diving.
I surfaced and all of my being was enlightened
Now I'm in...

Agora tudo no passado. Engoliu as palavras para não mentir, conseguiu se conter nas mordidas, mergulhou mais uma vez e quando emergiu todo seu ser estava iluminado. Problemas solucionados. Nada que três dias num lugar silencioso sem outras pessoas não resolva. Ommmmmmm.

I'm in hiding. I'm in hiding.

Chega de esconde-esconde.

Sai desse esconderijo Eddie e vem cantar aqui no meu ouvido. 


O Pearl Jam não faz muitos clipes, a maioria de coisas deles no youtube é gravação de show via celular, mas In Hiding está no o documentário Single Video Theory que é o making of do Yield. Eddie Vedder canta a letra um pouco diferente do que foi no album.


7.4.13

+Séries: novos serial killers

Houve um tempo em que Dexter Morgan reinava sozinho no mundo das séries como um serial killer protagonista. Claro que sempre tem serial killers em CSI, Criminal Minds, Bones, outras séries de procedimento policial, em comédias e até o House teve que curar um, mas só o  Dexter com uma série própria.

Esse ano pipocaram algumas outras para fazer frente ao analista de sangue de Miami. Começou com The Following que tem um serial killer que faz a linha líder de culto e o Kevin Bacon fazendo o agente do FBI que o persegue. E agora mais duas:

Bates Motel - essa série veio para contar os anos teen de Norman Bates e sua relação com a mãe, Norma. Sim, o mesmo Norman Bates do filme do Hitchcock baseado no livro Psycho de Robert Bloch (insira aqui a trilha sonora da cena do chuveiro). Norman é um psicopata/serial killer (ou será, no caso da série) que apresenta alguns distúrbios causados (ou não) por traumas de infância e uma relação diferente com sua mãe. Como Norman e Norma terminam sua história já sabemos, Hitchcock contou, mas como começaram é o que queremos descobrir. No início do primeiro episódio dava entender que a série se passava nos anos 50/60 até a Norma sacar um iPhone do bolso. Gostei, Norman Bates versão hipster.

Hannibal - O personagem baseado nos livros do Thomas Harris foi imortalizado pelo Anthony Hopkins, mas até hoje só sabemos como ele se comportava na prisão e depois que fugiu. A série Hannibal veio nos mostrar como o Dr. Hannibal Lecter enganou o FBI por tanto tempo. Na verdade essa série é mais sobre o agente Will Graham (Hugh Dancy, que está ótimo) que tem um talento especial para perceber a cena do crime e entrar na mente do psicopata, mas sofre de uma inabilidade social. O Dr. Lecter é chamado pelo Jack Crawford para ajudar o Will no seu problema e ele aproveita para ver como os crimes são desvendados. Hannibal aqui é interpretado pelo ator dinamarquês Mads Mikkelsen que, devo dizer, deu um ar sombrio e chique ao serial killer canibal. O Dr. Lecter é um serial killer/sociopata interessante, ele sabe exatamente o que faz, é um eterno provocador da natureza humana. E um ótimo cozinheiro.

Olha, Dexter, a concorrência está boa. Aliás se você não tivesse matado o Trinity provavelmente fariam um spin off sobre ele. (Quem merecia mesmo uma série era o Isaak, mas esse já está no fundo do oceano, né Dex?)

UPDATE: Só para não deixar passar a excelente série britânica The Fall, que tem o serial killer mais bonito e charmoso de todos. E a Scully é a policial que o persegue. (Paul Spector é feito pelo Jamie Dornan que já apareceu aqui no blog como o xerife de Once Upon a Time. É lin-do.)

5.4.13

Book Report: Diários de Bicicleta - David Byrne


O David Byrne é o vocalista do Talking Heads e, além de cantor, compositor e artista plástico, também um entusiasta da bicicleta. Ele pedala há anos por New York, desde quando a cidade não era bike friendly, e carrega sua bicicleta dobrável para outras cidades do mundo.

Nesse livro ele faz muitas observações interessantes sobre as cidades e as relações que as pessoas tem com o lugar onde vivem e entre si. Um ponto interessante que ele levantou foi sobre a cidade que é amigável a bicicleta geralmente tem um transporte público muito bom. Não vamos esquecer que a bicicleta é um transporte individual e o transporte coletivo deve sempre ter prioridade.

O livro começa com um apanhado sobre as cidades americanas, como são construídas para os carros e como isso define a convivência das pessoas. Depois começa uma volta ao mundo com os passeios de David por Berlim, Istambul, Buenos Aires, Manila, Londres, Sydney, San Francisco e, claro, New York. Além dessas cidades que mereceram capítulos ele também fala de Copenhagen e como o arquiteto urbanista Jan Gehl propôs mudanças na cidade que melhoraram a qualidade de vida e fez toda uma população adotar a bicicleta. (ele não fala de Amsterdam, mas o trabalho feito lá para incluir ciclovias na cidade foi incrível)

Em Istambul e Buenos Aires ele toca no ponto do carro como status, e são duas cidades com trânsito péssimo, assim com várias aqui no Brasil. Aliás, do Brasil ele menciona Salvador algumas vezes mas apenas para referências culturais e Curitiba para falar da eficiência do sistema de transporte público instalado pelo Jaime Lerner. Elogios na América do Sul só para Bogotá.

O capítulo que mais gostei foi Berlim. Afinal é uma cidade que era duas e voltou a ser uma, cheia de história recente desde a Guerra até os temidos agentes da Stasi. David Byrne não deixou a loucura de Berlim passar em branco, e é uma cidade super amiga das bicicletas.

Em Londres ele filosofa como a cidade aceita bem a diversidade, em Buenos Aires fala da vida noturna dos argentinos ("cidade dos vampiros"). Em Sydney ele se apavora com os morcegos gigantes e aranhas peçonhentas, e em Manila ele se diverte nos inúmeros karaokês.

Comprei esse livro pela capa bonitinha e pelo assunto, afinal também sou entusiasta do transporte público e bicicletas. Acontece que, como o livro é escrito em forma de observações em um diário, em muitas partes o David Byrne conta suas idas a festas, restaurantes, shows, filosofa sobre assuntos diversos e tal, as vezes é interessante e outras nem tanto.

No fim ele faz uma reflexão sobre a renovação de espaços nas cidades e como levar as pessoas para rua/calçada (caminhar, andar de bicicleta ou usar o transporte público) é importante até para diminuir a violência. Quando as pessoas estão na rua, em suas vizinhanças, se protegem e ocupam um espaço. Quando estão dentro de seus carros, trancadas, deixam as ruas abandonadas, "Estar dentro de um carro pode parecer mais seguro, mas quando todo mundo dirige, isso torna a cidade menos segura".

Isso me fez pensar Em Fortaleza, a cidade que vivo, onde ninguém anda nas ruas, e essa tensão que vivemos nos últimos tempos, sempre com medo. Uma cidade que fica cada vez mais quente porque derrubam arvores para fazer mais espaço para estacionar carros, fazendo a experiência de andar desagradável. Contudo, mantenho uma certa esperança que o problema terá solução.