14.2.18

Enquanto isso em PyeongChang...

Há 4 anos quando teve as Olimpiadas em Sochi escrevi o seguinte:

Adoro as Olimpíadas, de verão e inverno. Confesso que conheço pouco dos esportes de inverno, por motivo de: moro no nordeste do Brasil e, vamos combinar, o máximo de esporte de inverno que vejo por aqui é arremesso de cubos de gelo.
Mesmo assim acompanho quase tudo pela TV. Adoro as roupas tecnológicas coloridas (e coladas), bochechas rosadas e de ver a neve branquinha enquanto suo de calor. Como disse antes: gosto de todos os esportes. Da velocidade do esqui, das manobras do snowboard, das coreografias da patinação, da testosterona do hockey e até da precisão do curling.

E isso continua verdade.

As Olimpiadas de PyeongChang também começaram com polêmica: a Russia foi impedida de participar por conta do escandalo de doping mas alguns atletas que não estavam envolvidos puderam participar, então assim nasceu OAR - Olympic Athletes Russia. Eles competem mas sem a bandeira da Russia.

Outro acontecimento foi a participação da Coréia do Norte que mandou a irmã do ditador para ser simpática. As duas Coréias entraram juntas na abertura com uma bandeira que tinha a peninsula como símbolo.

Falando na abertura: foi bontinha, cheia de tecnologia, mas o que chamou mesmo atenção foi o atleta de Tonga (o mesmo das Olimpiadas do Rio) que veio carregando a bandeira de seu país shirtless besuntado em óleo num frio de menos 5 graus. Mito.


Nos esportes a americana Chloe Kim de 17 anos foi a sensação dos primeiros dias, ela ganhou medalha de ouro no snowboard halfpipe e, pelo o que entendi, ela é a Phelps desse esporte.

chloe na manobra

Shaun White é o Phelps do snowboard masculino. Ele foi tricampeão em PyeongChang ganhando do australiano sensação e de um japonês com zero esportiva que fez cara de bravo no pódio.

shaun voando

O curling continua agradando, eu nem sabia que tinha tantas categorias (duplas mistas, duplas, times, etc).

Vi o esqui alpino que acho emocionante com toda aquela velocidade morro abaixo, o esqui estilo livre que dá dor nos joelhos só de ver aquele balanço e ainda tem o esqui slalom.


Os holandeses ainda dominam a patinação de velocidade.


Os alemães estão na frente no quadro de medalhas.

A patinação artística, por enquanto, só teve a competição por equipes (todas as categorias competem juntas valendo uma medalha pelo país). O americano Adam Rippon patinou lindamente, sem cair, e ficou em terceiro, perdendo para o russo que caiu 2 vezes (mas foi expressivo) e para o canadense da escola de interpretação do Cigano Igor que caiu uma vez. Tem treta aí hein? Vamos ver o que acontece na patinação masculina.

as linhas do americano
tá assustado canadense?

A patinação feminina é a última. Só vi a americana Mirai Nagasu na competição por equipes e ela foi a primeira americana (e terceira mulher) a fazer um triple axel numa competição olímpica. Ênfase no "olímpica" porque a primeira americana a fazer esse salto em uma competição foi a Tonya Harding. (Assitam I, Tonya)

comemora mirai, mas ainda tem a competição feminina.

E a primeira mulher a fazer esse salto em Olimpiada foi a japonesa Midori Ito em Albertville 1992, a segunda foi a, também japonesa, Mao Asada em Vancouver 2010.

Ontem vi a primeira fase das duplas e teve a dupla da Coréia do Norte no gelo. Eles se classificaram competindo mesmo (a maioria dos atletas norte coreanos entraram por cota do país sede). Dois fofos que patinaram ao som de A Day in A Life dos Beatles. Foram bem e se classificaram para disputar medalha. Nessa competição gostei da dupla italiana e da dupla alemã, mas os juizes devem gostar de gente sem expressividade e deram mais pontos para os canadenses e chineses. A final é hoje a noite (depois coloco um update aqui).

UPDATE: Os campeões da patinação artística em pares foram os alemães que patinaram lindamente e sem erros, até bateram recorde de pontuação. Em segundo os chineses (com queda e erros) e em terceiro os canadenses (com alguns erros).

Nenhum comentário:

Postar um comentário