9.7.10

10 livros em 10 dias - 2) O livro que gostei menos

Continuando o desafio. Livro que mais odiei é um pouco forte porque acho que nunca odiei um livro, por pior que fosse, alguma coisa dá para aproveitar. Então essa categoria vai ser: O livro que gostei menos.

On The Road - Jack Kerouac
Essa categoria foi fácil, ficou entre um livro péssimo chamado Sapatos de Arrasar (só pelo nome já dá para saber né?), Senhora do José de Alencar e On The Road. Sapatos me fez rir algumas vezes, Senhora é aquela coisa de leitura obrigatória de escola e eu nem lembro mais (só lembro que não gostei); e On The Road me entediou e me irritou, muito.

On the Road é um clássico beatnik, aquele movimento pré-hippie dos anos 50/60 , que tem como principais escritores e fundadores: o Kerouac, Allen Ginsberg (Howl) e William S. Burroughs (Naked Lunch). Nunca li os outros dois. O movimento beat consistia em ler e escrever poesias, experimentar com drogas, liberdade de expressão (em todas as formas), espiritualização, exercício da espontaneidade e criatividade. Começou na Universidade de Columbia, em Nova Iorque, no fim dos anos 40 e no meio dos anos 50 começaram a fazer uma ponte com San Francisco. Quando estive em SF ano passado, fui na livraria City Lights, fundada em 1953 por um dos beatniks da costa oeste, Lawrence Ferlinghetti, e onde foram publicados livros polêmicos da geração beat como Howl do Ginsberg.

On The Road é um livro meio autobiográfico do Kerouac. É sobre Sal Paradise, um cara que fica fascinado com a chegada a NY de Dean Moriarty, um homem que conta histórias de viagens e experiências. Sal resolve colocar 50 doletas no bolso e sai para ver a America. Enquanto acompanhamos a viagem de Sal, onde ele nunca consegue segurar um emprego, está sempre drogado, bêbado e sem dinheiro, também ficamos sabendo um pouco de Dean, herói de Sal. (a melhor palavra que eu tenho para descrever o Dean é: mané) Depois de viajar entre NY, San Francisco e Denver e sofrer um bocado, Sal chega a conclusão, decepcionado, que Dean era só conversa (oh, really?).

A melhor coisa do livro era a foto do Jack Kerouac na capa, ele era lindão.

O livro que li foi emprestado por uma amiga canadense, e depois até debatemos as idéias. Eu entendo porque esse livro fez tanto sucesso e influenciou tantas pessoas, traduziu uma geracão, yada, yada, yada. É aquela coisa de querer sair por aí, livre, sem lenço e sem documento, experimentar tudo até o limite. O que eu concluí foi que todo mundo acaba caindo numa rotina, e que se drogar, beber, ir preso e pular de cidade em cidade era uma rotina para o Sal. Poderia ser interessante, mas não é. #prontofalei

O filme está para sair em 2011, é o Walter Salles que vai dirigir. Espero que seja melhor que o livro.

4 comentários:

  1. ney filho12:16 PM

    eita
    on the road. vc quer polemizar. hahahaha.
    o livro que eu mais odiei foi o diabo veste prada. nossa, como eh ruim... e olha que eu li fortaleza digital. eca.

    ResponderExcluir
  2. hahahaha! O Diabo Veste Prada eu achei divertido, pelo menos não se propõe a ser uma coisa genial e filosófica que nem On The Road.

    bjo!

    ResponderExcluir
  3. pé na estrada será citado no post de amanhã, mas não é o tema principal. ouvi dizer que a l&pm lançou [ou vai lançar] numa nova versão, com nova tradção e obedecendo o manuscrito original ["mais crua, mais selvagem e mais sexualmente explícita"]. às vezes eu penso em ler, mas literatura beat num é bem a minha zona de conforto :oD

    ResponderExcluir
  4. não li esse, mas pra falar a verdade o assunto nunca me atraiu; ficar vagando por aí de cara cheia não é interessante pra mim...

    No "Across the Universe" há uma sátira aos beatniks e esse estilo de vida, no personagem do Bono; mais doidão impossível...

    Beijocas!

    ResponderExcluir