28.7.11

Pico do Cabugi



A vegetação da BR 304 entre Mossoró e Natal é rasteira e o único morrinho, que se destaca no meio da estrada é o Pico do Cabugi. Já passei por essa estrada várias vezes e todas as vezes eu quis subir o tal morrinho.




Só que para subir o morrinho não é só parar o carro e sair andando. Primeiro tem que ser num horário em que o sol não esteja matando, depois não é tão fácil quanto parece, já teve gente que morreu tentando.



Quando meus amigos geólogos, e malucos, chamaram para ir essa semana eu disse: topo! Peguei um ônibus e fui para essa aventura no sertão. Os encontrei em Lajes, uma das cidades perto do Pico do Cabugi, e passamos a noite lá para no dia seguinte aventurar no Pico. (Também dá para ir de Natal, mas tem que sair de madrugada)

A briga pelo Pico do Cabugi era entre Lajes e Angicos, mas hoje o Pico pertence mesmo ao Rio Grande do Norte e fica dentro de um parque estadual.

Então acordamos cedo e as 6 da manhã já estavamos com o nosso guia Leandro na entrada da trilha.




O Pico do Cabugi (que em tupi-guarani signifca "peito de moça") tem 400 metros de altura e é um vulcão extinto.


A primeira parte da subida é entre a vegetação rasteira, com muitos cactus, plantas com espinhos, mas não é uma trilha difícil. Quando chega na base do Pico é que eu tive a primeira surpresa. Da estrada eu sempre achei que a parte sem vegetação do Pico fosse uma rocha inteira, mas não, são VÁRIAS rochas médias e pequenas formando o Pico. E estão todas soltas.




Por isso é bom ter um guia, ele sabe por onde escalar. Sim, escalar, já que tem subir uma boa parte feito aranha. Não aconselho para quem tem medo de altura. O perigo das pedras rolarem existe, mas com cuidado e orientação foi tranquilo.



A subida não é direto ao topo, em um ponto temos que começar uma trilha em espiral para chegar lá. Acontece que nessa trilha (também de pedras) passamos por abelhas e um vento MUITO forte.


fauna local


Chegando lá em cima o esforço todo vale a pena! A vista é fantástica!







A descida pelas pedras também é emocionante, até achei que seria mais difícil, felizmente não foi. Aconselho levar luvas para a escalada nas pedras. #ficaadica



Para subir levamos 1hora e 50 minutos e para descer também (só que paramos mais na descida). O nosso guia Leandro (ótimo!) faz parte dos Trilheiros da Caatinga, uma associação local de Lajes que organiza essas trilhas pela região. Se alguém também quiser se aventurar pode entrar em contato com eles (trilheirosdacaatinga@gmail.com).

Depois desse esforço todo, me senti naquele filme do Hugh Grant: "The Englishman Who Went Up a Hill and Came Down a Mountain". Eu subi o morrinho, mas desci uma montanha.



Pico do Cabugi, de morrinho a montanha.

Um comentário:

  1. Ricardo Rezende5:25 PM

    Legal o passeio, Karine!
    Isso é o que eu chamo de uma "turista plural": você vai dos pontos mais pitorescos do mundo a um "montinho" no interior do Rio Grande do Norte!
    Beijos,
    Ricardo

    ResponderExcluir