12.12.11

Analisando a música: There Is A Light That Never Goes Out (The Smiths)

Essa música do The Smiths é uma das minhas favoritas e é daquelas que eu gostaria que tivesse sido escrita para mim. Certamente está no meu top 5 de músicas românticas.

Tive um momento coincidência-bacana com essa música e ela está num dos cds/mixtape mais legais que já ganhei. Uma das cenas mais fofas de 500 Days Of Summer também é com essa música.

There is A Light That Never Goes Out está no melhor disco do The Smiths, The Queen is Dead de 1986, junto com outros clássicos da banda.

A batida da música é melancólica, mas é animada o suficiente para ser dançante, e a voz do Morrissey é triste sem ser. O refrão é um dos melhores ever, um pouco mórbido, mas extremamente romântico.

Take me out tonight
Where there's music and there's people
Who are young and alive
Driving in your car
I never never want to go home
Because I haven't got one anymore


Então o cara quer sair de casa, quer ver gente e escutar música, quer ver jovens animados, ele já está deprimido de ficar em casa. Aí no carro da amiga/amigo/namorada/namorado, com o Morrissey nunca se sabe, ele se sente confortável, não quer voltar para casa, ali a vida é boa. Ele diz que não tem mais casa. Pode ser porque estar no carro com aquela pessoa é bom demais e ele esquece que tem casa, OU, porque o colocaram para fora. Vamos descobrir.

Take me out tonight
Because I want to see people
And I want to see life
Driving in your car
Oh please don't drop me home
Because it's not my home, it's their home
And I'm welcome no more


"Me leva para sair, eu quero fazer people watching, quero ver a vida passeando no seu carro. Mas não me deixa em casa porque não é o meu lar, é deles e não sou bem vindo." Mistério da estrofe anterior resolvido. "Eles" não o querem em casa.

And if a double-decker bus
Crashes into us
To die by your side
Is such a heavenly way to die
And if a ten ton truck
Kills the both of us
To die by your side
Well the pleasure, the privilege is mine



E vamos ao excelente refrão. "Se dermos de cara com um ônibus de dois andares, morrer ao seu lado é uma maneira celestial de morrer (em inglês fica bem melhor). E se um caminhão de 10 toneladas (dez toneladas!!) nos matar, morrer ao seu lado é um prazer e um privilégio." Em quantos momentos da vida você pode dizer que ali morreria feliz? É uma coisa muito bonita (mórbida, é verdade, mas bonita) dizer que aquele momento é tão perfeito, que a vida está tão boa, que ele poderia morrer, com a pessoa junto obviamente, mesmo que fosse esmigalhado por um ônibus de dois andares.

Toda vez que vou a Londres e vejo um desses, me lembro dessa música.


Take me out tonight
Take me anywhere, I don't care
I don't care, I don't care
And in the darkened underpass
I thought Oh God, my chance has come at last
But then a strange fear gripped me
And I just couldn't ask


Take me out tonight
Oh take me anywhere, I don't care
I don't care, I don't care
Driving in your car
I never never want to go home
Because I haven't got one
No, I haven't got one


"Me leva para sair, qualquer lugar, não importa, eu quero estar com você." Aí eles vão por uma passagem subterrânea escurecida e ele pensa: "Opa! É agora a minha chance.". Chance de que nunca saberemos porque ele ficou com medinho de perguntar ou pedir algo. Pode ser uma infinidade de coisas: um beijo, uma mão boba, dinheiro emprestado, drogas, um lugar para ficar, insira sua opção aqui. E quando está no carro dessa amiga/amigo/namorada/namorado ele nunca quer ir para casa, que ele não tem.

And if a double-decker bus
Crashes in to us
To die by your side
Is such a heavenly way to die
And if a ten ton truck
Kills the both of us
To die by your side
Well the pleasure, the privilege is mine


There is a light that never goes out
There is a light that never goes out



Mais uma vez, o refrão fantástico.

Termina com a luz que nunca se apaga, que pode ser a esperança que nunca morre, ou as luzes do ônibus de dois andares vindo em direção a eles. De qualquer forma estarão juntos. O amor é lindo.

Canta aí Morrissey, que eu não canso de escutar essa música.

9 comentários:

  1. Oi! Li seu ótimo post por causa de um retweet da Naomi. Também adoro essa música!

    ResponderExcluir
  2. Erika,
    Seja bem vinda! :)

    ResponderExcluir
  3. Eu li o seu post por conta da Erika aí de cima (kkkk) tê-lo me enviado e fiquei muito feliz, pois amo essa música também. A maneira como o Morissey a canta é divinal!! Adorei e vou frequentar mais o seu cantinho. Beijins ^_^

    ResponderExcluir
  4. Karen,
    Oba! Venha mais vezes. :)

    bjs

    ResponderExcluir
  5. Anônimo1:10 AM

    Adoro essa musica e não me canso de escutar

    ResponderExcluir
  6. Conrado Aurelio7:58 PM

    Quando eu ouvi essa música e li a estrofe "In a darkened underpass I thought 'Oh God! My chance has come at last'. But then a strange fear gripped me and I just couldn't ask" me passou pela cabeça a ideia de atravessar um tunel escuro onde possivelmente poderia passar um trem, já que parte da música ele fala em "morrer ao seu lado".

    Minha música preferida, desde meus primeiros aninhos. *-*

    ResponderExcluir
  7. Eles esta de carro procurando música ou pessoas, então podemos deduzir que talvez seja uma festa.Ele/Ela não quer voltar para casa então fica procurando uma luz em meio todas as casas por que sabe que a sempre uma luz que nunca se apaga, a sempre um próximo lugar após o outro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. pois é emilio, essa luz que nunca se apaga é a esperança que nunca morre. (mesmo que seja esperança de achar a próxima balada). :)

      Excluir
    2. Completou meu raciocínio :v
      Amei o post

      Excluir