13.6.13

Game of Thrones

Essa terceira temporada da série foi muito boa, então, vamos falar de Game Of Thrones.
Antes, duas coisas: 1) não li os livros (estou de um lado do fosso entre quem só vê na tv e quem leu) e 2) vejo essa série como assisto a novela, não vou atrás de spoilers, nem fico me aprofundando no background dos personagens, aliás, não sei o nome de vários deles. O máximo que faço é ler algum review mais detalhado depois de ver os episódios para ver se perdi alguma coisa importante.



Claro que não sei de muitos detalhes que obviamente só estão nos livros, é gente demais para a série dar conta só com 10 episódios por temporada, algumas coisas ficam mal explicadas, mas investiram bem nos detalhes e é uma série boa de assistir, principalmente quando nos pega de surpresa. (aliás, surpresa mesmo só para quem não leu os livros como eu)

Com SPOILERS.

A primeira temporada nos apresentou a esse mundo que pelo que entendi tem todo tipo de clima (do árido a florestas molhadas, a tundra, praias com penhascos) com vários micro-reinos de várias famílias (ou casas) que são dominados por quem senta no Trono de Ferro. Tudo isso está na abertura sensacional.
O Trono de Ferro é como o Um Anel, one to rule them all, mas sem poderes mágicos (até agora) e tem um bocado de gente querendo sentar nele. Além disso tem uma muralha protegendo tudo isso. Do que eu não tenho certeza, por enquanto acho que é dos White Walkers, uma espécie de zumbi da neve. E ainda tem a ameaça do inverno que está vindo mas nunca chega.
Nessa primeira temporada conhecemos todos os Starks, a família dos lobos: Stark Pai, Lady Stark, filhos legítimos (3 homens: Robb, Stark Filho e Baby Stark, e 2 mulheres, Arya e Stark Ruiva) e o Stark Bastardo (Jon Snow).
Também conhecemos o Rei Robert Baratheon, que ocupa o Trono de Ferro, e sua adorável (só que não) família: sua esposa, a bitch Cersei (da família Lannister), o filho dos infernos Joffrey (que tem irmãos que nunca aparecem), os cunhados Sawyer Jamie e o genial anão Tyrion. Nesse nucleo tem  um babado fortíssimo: a Cersei e o Sawyer Jamie são amantes incestuosos e pais do Joffrey.
O Stark Bastardo é mandado para a muralha onde tem uma espécie de exército celibatário e o Stark Pai vai com as filhas (a Ruiva e a Arya) para o reino ser a mão direita do Rei Robert.
Enquanto isso do outro lado do mundo a Daenerys, herdeira de ovos de dragões e filha do rei anterior (que era louco), é forçada a casar com o Drogo (um fortão que é tipo rei de um povo que adora cavalos). Ela sofre um bocado, mas aprende muito e no fim prova que é a verdadeira Mother of Dragons.
E logo nessa temporada aprendemos que não devemos nos apegar a nenhum personagem. Matam logo o Rei Robert. O Stark Pai descobre que o Joffrey é filho do incesto e ameaça contar para todo mundo que o Rei não tem herdeiro legítimo (mas tem um bastardo que trabalha de ferreiro). O que o Joffrey, agora Rei adolescente gente boa, faz para o Stark Pai calar a boca? Corta. A. Cabeça. Na frente da filha Stark Ruiva.
Portanto, terminamos a primeira temporada com: a Arya começando sua saga como crossdresser fazendo amizades pouco saudáveis mas que a ajudam; o Joffrey vira Reizinho; o Robb Stark gostosão (o Stark legítimo mais velho) vai lutar pelo trono; Jon Snow (o Stark Bastardo) fica congelando com os novos amigos na muralha, e o Tyrion se safou e conseguiu escapar da prisão para quem tem medo de altura e da rainha, irmã da Lady Stark, que dá de mamar para o filho de 10 anos.

Isso tudo e ainda tem uns coadjuvantes como: o dono do bordel, o eunuco fofoqueiro, o conselheiro da Mother of Dragons, o Hound, o segurança particular do Tyrion, etc.

Confesso que a segunda temporada, para mim, foi um pouco cansativa, quase desisti. Apertei o botão de FF algumas vezes. Contudo, foi nessa temporada que conhecemos melhor o patriarca da família com a dinâmica mais interessante de todas: os Lannisters. Papai Lannister gosta do poder, quer o Trono de Ferro, não tem direito de sangue a ele, mas colocou o netinho psicopata lá por enquanto. A melhor coisa dessa segunda temporada é a interação com a Arya, que vira servente dele por um tempo.
No resto tem uns outros candidatos a Rei na parada: o Stannis, irmão do Rei Robert, que tem uma amiga bruxa que dá a luz ao monstro de fumaça de LOST; tem o outro irmão do Rei Robert que é gay (nem me dei o trabalho de decorar o nome dele porque morreu logo e a esposa dele é ambiciosa); tem um que todo mundo quer ser amigo porque tem navios e mora nas Ilhas de Ferro; Robb Stark quer colocar sua beleza no Trono de Ferro, e tem a Mother of Dragons correndo por fora.
Robb combina com o Theon Greyjoy de pedir os navios do pai dele, mas claro que isso não dá certo, o pai do Theon também quer ser Rei. Todo mundo é enganado.
A Mother of Dragons passa a temporada inteira numa cidade fazendo política para tentar conseguir um exercito (e esperando os dragões crescerem o suficiente para cuspir fogo).
Tyrion, nosso querido anão fanfarrão, está tentando segurar as pontas do Reizinho Psicopata e ajuda na batalha de Kings Landing (a capital dos reinos onde fica o Trono de Ferro).
O Stark Filho que foi jogado pela janela (pelo Sawyer Jamie) descobre que tem poderes.
O Sawyer Jamie é prisioneiro do Robb Stark que por sua vez casa com uma enfermeira enquanto estava prometido para outra mulher.
O pessoal da muralha vai passear na neve do outro lado, Jon Snow arranja uma namorada e o gordinho vê os tais White Walkers que todo mundo tem medo.

Aqui um recap da primeira e segunda temporadas.

Chegamos a terceira temporada.
Papai Lannister e sua família estão em Kings Landing. Papai Lannister manda em tudo e todos, afinal, é ele quem assina os cheques. Cersei se vê noiva um rapaz que gosta de rapazes só porque ele é de uma família que tem muita grana, os Tyrell (com uma matriarca tão boa quanto a Dowager Countess de Downton Abbey). Tyrion se torna contador do reinado e é obrigado a casar com a Stark Ruiva (que se livrou de casar com o Reizinho Psicopata) e ainda tem que aguentar o ciúme da namorada (que é servente da Stark Ruiva) e o amor/ódio que Papai Lannister tem dele. Joffrey, o Reizinho Psicopata, fica noivo da irmã do noivo de sua mãe que é a ex-mulher o tal candidato gay ao trono que morreu na temporada passada. Papai Lannister coloca seu netinho reizinho nos eixos quando precisa, mas deixa ele brincar com sua besta acertando mulheres à flechadas, um fofo.
O filho querido do Papai Lannister, Saywer Jamie, passou a temporada passeando com sua nova amiga Brienne, fizeram um dos melhores casais sem ser da temporada, ele a defendeu, ela o salvou, ele perdeu a famosa mão que matou o Rei, os dois sofreram, mas superaram e chegaram em Kings Landing. Passei a temporada querendo ver a cara da Cersei vendo o Sawyer Jamie chegando com a Brienne, mas ele entrou no quarto dela sozinho. Fica para a 4a temporada.
Jon Snow trocou os amigos da muralha pela namorada, perdeu a virginade, e logo depois acabou o namoro voltando para a galera da muralha, mas não sem levar da moça uma flechadas merecidas.
O Stark Filho que foi jogado da janela melhorou seus poderes visionários e está indo com seus novos amigos para a muralha atrás dos White Walkers (e ele mandou o irmãozinho para casa até a gente esquecer que ele existe).
Arya, coitada, é um sofrimento só. Virou prisioneira de um bando (que tem um cara que volta da morte várias vezes), teve seu BFF Gendry (o filho bastardo do Rei Robert) levado pela bruxa-mãe-do-monstro-de-fumaça, foi pega pelo Hound e viu o lobo do seu irmão Robb sendo morto. Não está fácil para ela. Acontece que a Arya é a Stark com mais culhões e já tem uma listinha de pessoas de quem ela quer se vingar. Aguardo essa Revenge.
O Gendry foi com a bruxa mãe-do-monstro-de-fumaça para o castelo do Tio Stannis ser torturado com umas sanguessugas (ele tem sangue de rei) para fazer feitiços contra Robb Stark. Felizmente o capitão-esqueci-o-nome o libertou e ele agora está boiando num bote no meio do mar até a 4a temporada.
Não dei muita bola para a tortura do tal do Greyjoy, mas o torturador degustando uma linguiçinha depois de ter, hum, cortado o wurst do Greyjoy e mandar pelo correio para o pai dele foi demais. A irmã do Greyjoy está indo buscá-lo com os marginais barra pesada das Ilhas de Ferro.
Mother of Dragons foi estrela nessa temporada. Conseguiu: dois exercitos de escravos livres, mostrou que com os dragões não se brinca e ainda arranjou um namorado. #TeamMotherOfDragons Mal posso esperar essa mulher chegando perto do Trono de Ferro. Voto para um dos dragões comer a cabeça do Joffrey.
Porém, tenho que me lembrar que não posso me apegar muito, afinal foi nessa temporada que vimos o Red Wedding. Fiquei passada! É sempre no nono episódio da temporada que alguma coisa assim acontece. Dessa vez, numa festinha de casamento, mataram logo o gostosão do Robb Stark, sua mãe Lady Stark e sua esposa grávida. Todo esse sangue derramado porque o Robb Stark deixou de se casar com uma das filhas do Walder Frey lá na segunda temporada, e o Frey se vingou com ajuda do....wait for it.....Papai Lannister e do vira-casaca Bolton.
Robb Stark, I'll miss you, mas confesso que gosto mesmo é do anão Tyrion e do Sawyer Jamie. Como são filhos do Papai Lannister acho que vão ficar mais um tempo na série.

RIP Robb

Concluindo: os Lannisters estão todos vivos e aprontando muitas confusões em Kings Landing. Os Starks foram resumidos a: Arya Vingativa, a Stark Ruiva, Stark Filho que foi jogado da janela, Baby Stark banido até ter idade para voltar e Jon Snow, o Stark Bastardo. Os Baratheons, verdadeiros herdeiros do trono, só tem o Stannis que depende da feiticeira mãe-do-monstro-de-fumaça e o bastardo Gendry. Os Targaryens tem a Mother of Dragons com seu exercito e estão bem na fita.

Que venha a quarta temporada! 

Nenhum comentário:

Postar um comentário