28.2.14

Analisando a música: Diane Young (Vampire Weekend)

O Vampire Weekend ganhou, esse ano, um grammy de melhor album de música alternativa por seu terceiro album Modern Vampires of the City. Fui ver (escutar) qual era dessa banda hipster de NY com nome cafona (e eu gosto de vampiros). Pesquisei para saber de onde vem esse nome tão blergh e parece que o Ezra Koenig assistiu Garotos Perdidos numas férias de verão da universidade e decidiu fazer um projeto de filme de curta metragem. Segundo o Wikipedia esse projeto de filme só durou 2 dias, mas pelo jeito o nome ficou para sempre.

Gosto de bandas indies, já tinha ouvido falar dessa mas não escutado as músicas. O album é bom, a banda é boa, as músicas são mais lentas do que animadas, do tipo para escutar passeando de bicicleta (até tem uma música chamada Obvious Bicycle). Ok, tem a animadinha Finger Back.

Acontece que uma música se destacou porque é completamente diferente das outras, um rockabilly bacana, moderno, dançante e com um nome que me deixou curiosa: Diane Young.

Quem é Diane Young? O que ela faz? O que ela come? Como ela se comporta? Hoje a noite no Globo Reporter.

Vamos descobrir.

You torched a Saab like a pile of leaves
I'd gone to find some better wheels
4, 5 meters running round the bend
When the government agents surround you again
If Diane Young won't change your mind
Baby, baby, baby, baby right on time

Essa música tem um narrador que está falando com alguém que me parece inconsequente, afinal coloca fogo no carro como se fosse folhas e ainda é perseguida pelo governo. Uma conversa entre extremos: um muito careta e outra imprudente, impulsiva, sem medo de arriscar.
Quando escutei essa música a primeira vez achei que ele falava "dying young", tipo "se você não se importa de morrer cedo, vai em frente." E concluí que Diane Young é um homófono de dying young. Aí fui pesquisar e existe, em Manhattan, um salão de beleza para cuidar da pele chamado Diane Young. Então também pode ser que ele esteja dizendo "se a Diane Young não convenceu que pode te manter jovem, manda ver."
Aproveitaram que existe alguém chamada Diane Young que tem uma marca de produtos para a pele (que promete manter a jovialidade) e usaram como esse trocadilho no título da música. Acho que foi boa idéia, Dying Young seria muito sombrio para uma música tão animada.

Out of control, but you're playing a role
Do you think you can go to the 18th hole
Or will you flip-flop the day of the championship
Try to go it alone on your own for a bit
If Diane Young won't change your mind
Baby, baby, baby, baby right on time

Ele afirma que ela está fora de controle e apenas fingindo, e aí pergunta (fazendo referências esportivas de golfe) "você acha que aguenta até o fim ou vai queimar a largada no campeonato? Vai tentar seguir sozinha por um tempo?" Então, se morrer jovem não te faz mudar de idéia, vai nessa! Audácia não tem limites. (ou tem?)

Baby, baby, baby, baby right on
Baby, baby, baby, baby right on
Radiate your light on
Radiate your lifetime
Baby, baby, baby, baby right on
Time, time, time time
Baby, baby, baby, baby right on time
Let them go
If Diane Young won't change your mind
Baby, baby, baby, baby right on time

Essa parte é rockabilly puro. Elvis ficaria orgulhoso.

Irish and proud baby, naturally
But you got the luck of a Kennedy
So grab the wheel and keep holding it tight
'Til you're tottering off into that good night
If Diane Young won't change your mind
Baby, baby, baby, baby, right on time

Então ficamos sabendo que a menina é irlandesa, mas tem a sorte de um Kennedy, ou seja, é azarada. Gente, os Kennedys são almadiçoados, só pode. E olha que a Irlanda é o país do trevo de quatro folhas e de leprechaus. Experimenta um creminho ou serum ou esfoliante da Diane Young, quem sabe você desiste de pisar fundo no acelerador e sumir no escuro.

Baby, baby, baby, baby right on
Baby, baby, baby, baby right on
Radiate your light on
Radiate your lifetime
Baby, baby, baby, baby right on
Time, time, time time
Baby, baby, baby, baby right on time

Vamos estalar os dedos agachando e cantar baby, baby, baby...

Nobody knows what the future holds
And it's bad enough just getting old
Live my life in self defense
You know I love the past 'cause I hate suspense

Parte filosófica (e medrosa) da música. "Ninguém sabe o que tem no futuro (óbvio), e ficar velho é uma droga (concordo)." e emenda confessando que vive seguramente e ama o passado porque ali não tem surpresa. Gente nostálgica, precavida demais, prudenteZzzzzzz

If Diane Young won't change your mind
Baby, baby, baby, baby, right on time

Se Diane Young, essa senhora que criou e dá o nome a creminhos que prometem rejuvenescer a pele, não tem o poder de convencer a não ser tão inconsequente, vai fundo, enfrenta o sol do meio dia sem SPF. A hora é essa. Só morrendo jovem para não envelhecer.

Acho essa música ótima para correr. O video é uma última ceia muito louca.

2 comentários:

  1. Amei!! Ezra nunca escreve letras óbvias... por isso que ele é foda!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. As letras dele são muito boas mesmo. :)

      Excluir