29.9.13

Boston (2) Freedom Trail

O Freedom Trail é um caminho marcado no chão por uma linha vermelha (as vezes tijolos, as vezes tinta mesmo) que passa pelos pontos históricos mais importantes de Boston.



O caminho dos tijolos vermelhos começa no Boston Common, o parque público mais antigo da America, de 1634.

ponto de informação do boston common

O próximo ponto é o Massachussets State House, que é de 1798, um dos prédios mais antigos de Beacon Hill. O seu domo inicial era de madeira, depois de cobre e finalmente foi coberto por folhas de ouro em 1874. Na segunda guerra foi pintado de preto para prevenir ataques de bombas.

seguindo a linha vermelha


Na esquina tem a Park Street Church e na lateral da igreja o Granary Burying Ground, o cemitério onde estão enterrados: Samuel Adams, John Hancock e os pais do Benjamin Franklin. Os cemitérios de Boston e das cidades perto são todos bonitos, arborizados, e quase todos são atrações turísticas.



No outro quarteirão tem a Kings Chapel e seu cemitério (eu disse que são atrações).



Atrás da Kings Chapel tem a Boston Latin School, a primeira escola pública de Boston de 1635. O Benjamin Franklin foi aluno e tem uma estátua na frente (e por acaso ele não se formou, foi um high school dropout). Também tem uma estátua do burrinho democrata.

democratic donkey

Na mesma rua tem a Old Corner Bookstore, que começou como um boticário e depois se tornou uma livraria e editora que publicou os livros de Nathaniel Hawthorne, Ralph Waldo Emerson, Louisa May Alcott e até Charles Dickens. Hoje é uma loja de burritos fast food. It's evolution, baby.



Em frente ao prédio da Bookstore, mas não faz parte do Freedom Trail, tem um memorial aos irlandeses com duas estátuas de famílias: uma de famintos desesperados e outra saudável que os olha com desdem. O escultor disse que representa o status social na Irlanda na época da fome quando muitos irlandeses se mandaram para America.


Continuando na linha vermelha temos a Old South Meeting House, que não tirei foto porque estava toda coberta para reforma. Era um ponto de encontro dos Puritanos para rezar, ou seja, uma ireja. Foi lá que, em 1773, os residentes de Boston se reuniram para decidir o que fazer com as toneladas de chá que estavam no porto porque não queriam mais pagar os altos impostos britânicos. Acreditavam que "no taxation without representation", ou seja, que só poderiam ser cobrados impostos por seus próprios representantes eleitos e não pelo parlamento britânico que não os representava. Em protesto político se vestiram de índios e foram lá atirar o chá no mar. Evento conhecido como Boston Tea Party. O chute inicial da Revolução Americana pela independência.

A seguir vem a Old State House, que achei linda. Era sede colonial do governo britânico e ponto de encontro dos representantes eleitos, onde, antes da revolução debatiam o domínio britânico e os impostos.

unicórnio britânico

Faneuil Hall, um prédio que foi construído como mercado em 1742. Era lá que os americanos iam para reclamar dos impostos e também onde Samuel Adams fez um de seus discursos chamando as colonias americanas a se uniriem e lutarem pela independencia. Hoje é um centro de informações turísticas com lojinhas de souvenirs.

sam adams na frente do faneuil hall


Quincy Market fica logo atrás do Faneuil Hall, não está oficialmente no Freedom Trail, mas é uma ótima parada se estiver com fome, e também é um prédio bonito.



A caminho do North End, o bairro italiano de Boston e onde tem mais alguns pontos históricos, a linha vermelha passa pelo blackstone block, uma série de prédios antigos, de um lado e o memorial do holocausto do outro.

u.s.a + irlanda
memorial do holocausto


Entrando no North End, além de vários restaurantes de massa e muita gente falando italiano, tem a casa do Paul Revere. Ele foi o cara que montou no cavalo para avisar a milícia colonial que as forças britânicas estavam se aproximando antes das batalhas de Lexington e Concord.

casa do paul revere
praça fofa no north end

E lá está ele no seu cavalo numa estátua na frente da Old North Church.


Antes de atravessar a ponte sobre a entrada do Charles River para o outro lado a linha vermelha passa por mais um cemitério, o Copps Burying Ground, o maior cemitério colonial da cidade.

ainda seguindo a linha vermelha

Do outro lado da ponte é Charlestown, outro município. Lá fica o USS Constitution, o navio de guerra mais antigo ainda em serviço e o Bunker Hill Monument.

casas em charlestown


No topo de Bunker Hill teve uma batalha da milicia colonial contra os redcoats britânicos. Os britânicos precisaram de 3000 homens e três tentativas para tirar os colonialistas do topo do morro. O monumento é um obelisco que pode subir (são 297 degraus) e tem uma vista maravilhosa da cidade.



Não é uma caminhada longa, um pouco mais de 4km, mas tem muitas paradas. Fui e voltei a pé (eu gosto de andar), mas do USS Constitution tem um T Water Shuttle que leva até o Aquário.

Um comentário:

  1. It's regression baby lamentaria Dickens.

    ResponderExcluir