30.10.13

Analisando a música: Fake Plastic Trees (Radiohead)

Em 2006 quando fiz o primeiro Momento TOC do iPod mini, que tinha na época, concluí que as músicas do Radiohead me deixavam deprimida. Como estava escutando as músicas em ordem alfabética toda vez que vinha uma que me deixava triste era só olhar o visor que "Radiohead" estava lá. No segundo Momento TOC, ainda no iPod Mini, cheguei a mesma conclusão.

Provavelmente já está na hora de outro Momento TOC no iPod nano (que deve ter mais de 2300 músicas), mas vou deixar isso para outro dia.

Hoje na corrida entrou High and Dry e a minha vontade era parar de correr e ficar olhando o mar e quem sabe dar uma choradinha. Não sei vocês, mas o Radiohead faz isso comigo (ou talvez porque minha panturrilha estava doendo).

O Radiohead é uma banda inglesa formada em 1985 e de lá para cá tem 8 albuns: de Pablo Honey (1993) a King of Limbs (2011). O album queridinho dos fãs é OK Computer (com Paranoid Android, Karma Police, Lucky, Let Down e No Surprises).

A banda experimenta com vários tipos de sons, instrumentos, gêneros musicais e também na forma de divulgar e vender seus discos. O lançamento de In Rainbows (2007) foi feito na internet e cada um pagava o valor que queria pelas músicas (inclusive podia não pagar nada). Não sei se essa estratégia funcionou para a banda, mas o album seguinte teve preço fixo.

Acho que são as melodias melancólicas das músicas do Radiohead que tem esse efeito, são quase todas estruturadas para extrair alguma emoção. Talvez seja intencional. Até a voz do Thom Yorke se encaixa na forma. E o guitarrista Johnny Greenwood é compositor de ótimas trilhas sonoras especialmente nos filmes do Paul Thomas Anderson (trilha de There Will Be Blood é sensacional).

Não foi fácil escolher uma música para analisar, mas decidi fazer Fake Plastic Trees porque é uma das músicas que melhor representa essa coisa de trazer emoções a tona e é uma das mais conhecidas da banda, não a toa. Essa música já foi usada em filmes (Patricinhas de Beverly Hills), séries (Entourage) e na campanha da Síndrome de Down com o Carlinhos.

Fake Plastic Trees é do segundo album da banda, The Bends (1995), que tem outras três músicas que gosto: High And Dry, My Iron Lung e Just. Dizem que Thom Yorke escreveu essa música sobre o Canary Wharf, que é uma área de Londres que foi construída sobre um terreno baldio inutilzado para ser o business district da cidade e teriam colocado plantas artificiais lá. Pessoalmente não gosto do Canary Wharf, é mais do mesmo em prédios com fachadas de vidro, é impessoal. Acho justo que tenha servido de inspiração para essa reflexão sobre consumismo e aparências.

É uma música sobre a superficialidade (e falsidade) das coisas e pessoas que começa lenta, cresce e termina melancólica. E como disse o pessoal da teoria da conspiração do forum, também pode ser uma música sobre depressão. Independente da letra, é a melodia que fica na cabeça, mas vamos saber do que o Thom Yorke está falando.


Her green plastic watering can
For her fake Chinese rubber plant
In the fake plastic earth

Essa música tem três personagens: a mulher, seu companheiro e o narrador. Começamos com a mulher que coloca água nas plantas de plástico made in China, plantadas na terra falsa com uma vasilha de plástico. Só nessa frase temos mais de 200 anos de plástico rondando a terra antes de se desintegrar.

What she bought from a rubber man
In a town full of rubber plans
To get rid of itself

O que ela comprou do homem de borracha, numa cidade de borracha? Métodos para se livrar da plastificação são de plástico. Mais do mesmo.

It wears her out, it wears her out

Essa frase aqui tem duplo sentido. 1) ela pode estar cansada, exausta de todas essas coisas fakes, de fingir ou 2) todo esse plástico e borracha vai sobreviver a ela ("wears her out" - desgastá-la).

She lives with a broken man
A cracked polystyreneman
Who just crumbles and burns

A mulher mora com um homem quebrado, prejudicado, violado. Um homem de poliestireno (também conhecido como: isopor) que se desfaz e queima (afinal, isopor é altamente inflamável).

He used to do surgery
For girls in the eighties
But gravity always wins

And it wears him out, it wears him out

Ele era um cirurgião. Não sei se fazia plásticas em mulheres de 80 anos (que se acham garotinhas) ou nas garotas nos anos 1980, e qualquer forma ele está cansado de perder essa luta contra a gravidade, exausto da futilidade. FATO: a gravidade sempre ganha.

She looks like the real thing
She tastes like the real thing
My fake plastic love

Essa parte da música é significativa, e é quando a música atinge o ponto alto. É aqui que o narrador nos conta sua história. Apesar dela (provavelmente a namorada) parecer real e ter gosto real ele não consegue acreditar no amor, é falso e de plástico. Ele acha que é uma ilusão...

(Momento história da propaganda: "It's the real thing" foi o slogan da Coca-cola nos anos 1970, então pode ser que deram para ele uma Coca Zero e ele está reclamando.)

But I can't help the feeling
I could blow through the ceiling
If I just turn and run

Esse sentimento de frustração, ele se sente inadequado, é difícil se encaixar numa fantasia. Um desespero que dá vontade de correr.

And it wears me out, it wears me out

A ilusão, ou tentar mantê-la, o está esgotando.

If I could be who you wanted
If I could be who you wanted all the time, all the time

"Se eu pudesse ser o quem você queria, o tempo todo." Pode ser uma vontade que ele tem de querer atender as expectativas dela OU uma constatação que ele não consegue mais fingir e nunca vai conseguir ser o fake plastic love dela.


Lencinhos na mão?
Adoro esse supermercado do video.

11 comentários:

  1. Essa é uma das melhores letras do mundo ! fala de mais comigo, e acho que com todo mundo...

    ResponderExcluir
  2. @rafael, né? também acho que é muito atual. :)

    ResponderExcluir
  3. Rafael4:59 PM

    é verdade... tipo, 'ela parece ser de verdade, meu amor falso de plástico...' nessa parte da música, me da vontade de chorar, gritar, um desespero .... lembro de uma garota que eu namorei, e penso em meu amor de plástico, tipo, sentimentos que não duraram nada, não eram verdadeiros, ... acho que eu tô viajando né.. mas amo de mais essa musica, e estou ouvindo ela agora..hehe

    ResponderExcluir
  4. @Rafael a parte chave dessa música é o fim quando ele diz "Se eu pudesse ser o quem você queria, o tempo todo." Todos nós temos expectativas com os outros e com nós mesmos, acho importante reconhecer o que é expectativa e saber distinguir aquilo que esperamos daquilo que nos é oferecido. O amor de plástico da música é porque ele ama uma coisa irreal (que apenas parece verdadeira). Alguns sentimentos não duram muito tempo mas não quer dizer que não sejam verdadeiros. :) bjo!

    ResponderExcluir
  5. Anônimo12:31 AM

    "But I can't help the feeling
    I could blow through the ceiling
    If I just turn and run" nessa parte a minha opinião é diferente da sua. Eu entendi da seguinte forma: ele não consegue fugir pq ele a ama,ele se sente preso a ela, "eu explodiria se eu apenas me virasse e corresse" ele explodiria pq ele não teria forças pra se manter longe dela,seria como uma e explosão.. e naquela parte q diz "ela parece real,ela tem sabor de real,meu falso amor de plástico" eu acho que ele quis dizer que ele se sente iludido em relação a ela, mas ao mesmo tempo está perdido de amor,mas é um amor vazio,ele sente que é tudo uma ilusão,como se ela não fosse real exatamente por ser um amor tão vazio. esse é o meu ponto de vista. Mas gostei da sua análise. Ficou boa :) so ficou diferente da minha
    Bjs ::)

    ResponderExcluir
  6. @anonimo, também gostei do seu ponto de vista: se ele se separar dela vai sofrer mais ainda, mesmo sabendo que está iludido.
    acho que a música é aberta a várias interpretações mesmo. :) obrigada pela colaboração. bjos!

    ResponderExcluir
  7. Anônimo10:09 AM

    Oi moça, não costumo comentar em blogs, mas estou passando por um momento que a música se encaixa e decidi procurar alguma interpretação dela. Concordo muito com o que escreveu, muito bom o texto. Um grande abraço :)

    ResponderExcluir
  8. Anônimo1:46 PM

    AMEI! CENA FINAL DE "BRUNA SURFISTINHA"...COM ESSA TRILHA SONORA!
    A INTERPRETAÇÃO ESTÁ DEZ! O VIDEOCLIPE ESTÁ ÓTIMO: COM OS INTEGRANTES DA BANDA DENTRO DO CARRINHO DO SUPERMERCADO, OU SEJA, COMPRAMOS PRODUTOS PARA CONSUMIR E NÓS, PESSOAS HUMANAS, TAMBÉM VIRAMOS PRODUTOS A SEREM CONSUMIDOS EM NOSSAS RELAÇÕES (AMOROSAS, TRABALHO, AMIZADES). É TUDO FAKE. É TUDO DESCARTÁVEL. NUMA SOCIEDADE Q VALORIZA CADA VEZ MAIS O CONSUMISMO ATÉ AS PESSOAS VIRAM OBJETOS A SEREM CONSUMIDOS!
    MÚSICA RICA DEMAIS!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu conheci a música através do filme e devo ter ouvido umas 30 vezes hoje XD

      Excluir
    2. Anonimo e Bru, fui ver esse filme um dia desses, a música encaixou bem. :)

      Excluir